Roberta Sá mostra seu novo show amanhã para o público natalense

O show terá renda revertida para as obras de revitalização da Catedral Metropolitana de Natal

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A cantora potiguar Roberta Sá está de volta a Natal para um novo show. Na próxima quarta-feira, dia 4 de junho, às 21 horas, ela comanda do palco do Teatro Riachuelo uma apresentação baseada no seu quinto e mais recente álbum, “Segunda Pele” (MP,B Produções e Universal). O show tem ainda o atrativo extra de uma causa nobre: será beneficente, com renda totalmente revertida para as obras de revitalização da Catedral Metropolitana de Natal, na Cidade Alta.

Sede da Arquidiocese de Natal e destaque arquitetônico na capital potiguar, a Catedral Metropolitana está necessitando de reforma em boa parte da sua estrutura. Além de sanar goteiras e infiltrações, o prédio precisa de melhorias em equipamentos e em suas instalações elétricas e hidráulicas. O show de Roberta Sá será a largada para um projeto criado e desenvolvido com o propósito de levantar recursos para a revitalização da Catedral.

Recém-chegada de uma turnê pelo Brasil ao lado de bambas como Martinho da Vila e Alcione, além do companheiro de geração Diogo Nogueira, dentro do projeto “Nivea Viva o Samba”, a cantora potiguar traz na bagagem mais sambas para o novo show em Natal. A cantora apresenta as músicas do disco “Segunda Pele”, além de sucessos de outros discos, sambas clássicos e marchinhas.

Roberta apresenta um roteiro com canções de “Segunda Pele”, que apresenta compositores de diferentes gerações e linguagens: Caetano Veloso (“Deixa Sangrar”), João Cavalcanti (“O Nego e Eu”) e o trio Moreno Veloso, Quito Ribeiro e Domenico Lancellotti (“A Brincadeira”), além de Pedro Luís (“No Bolso”) e Jorge Drexler (“Esquirlas”). Ainda haverá espaço para revisitar álbuns de sua carreira como “Braseiro”, “Quando o Canto É Reza” e “Que Belo Estranho Dia Para Se Ter Alegria”.

No repertório do show, também há espaço para músicas que entraram no “Baile da Rosa”, que a cantora já mostrou no carnaval carioca com marchinhas, além de pérolas do samba. A direção musical é de Rodrigo Campello, que também toca guitarra e violão tenor e assina os arranjos e as programações. Os músicos que acompanham Roberta no palco são: Élcio Cáfaro (bateria), André Rodrigues (baixo) e Eduardo Neves (sax tenor e flauta).

Sobre Roberta Sá

Nasceu em Natal (RN) em 19 de dezembro de 1980. Aos nove anos, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde mora até hoje. Aos 16, começou a frequentar aulas de canto. Aos 20 anos, tornou-se aluna de Vera Maria do Canto e Melo. O marco zero de sua carreira foi um show no Mistura Fina, no Rio, em 2002. O preparador vocal Felipe Abreu estava lá e virou seu parceiro e amigo.

Felipe indicou o músico Rodrigo Campello para produzir uma primeira “demo” da cantora, com o arranjador Paulo Malaguti. O trabalho chegou às mãos de Gilberto Braga, que a convidou para gravar “A Vizinha do Lado”, de Dorival Caymmi, como tema da novela “Celebridade”.

Em 2004 veio o primeiro disco, “Braseiro”, com produção de Rodrigo Campello e a direção de voz e coro de Felipe Abreu. “O repertório é uma declaração de amor à música popular brasileira. Pelo menos a que eu conhecia até aquele momento. É um álbum de memórias musicais afetivas. Foi aí que começou minha formação profissional, através do convívio com músicos e artistas fabulosos”, diz Roberta. Ney Matogrosso, MPB-4 e Pedro Luís e A Parede foram os convidados.

“Que Belo Estranho Dia Pra Se Ter Alegria”, o segundo disco, foi lançado em 2007. Lenine, Carlos Malta e Pife Muderno, Hamilton de Holanda Silvério Pontes e Zé da Velha foram os convidados especiais. “Tenho a sorte de ter gravado os discos que quis, com as pessoas que escolhi”, diz ela.

Dois anos depois, Roberta Sá reuniu o repertório dos dois primeiros álbuns no show “Pra Se Ter Alegria”, que contou com a direção do cantor e compositor Pedro Luís e da jornalista Bianca Ramoneda. A apresentação resultou em um DVD dirigido pela Samba Filmes e um CD que reúne sucessos como “Alô Fevereiro”, “Interessa?”, “Janeiros”, “Mais Alguém”, “Eu Sambo Mesmo” e “Agora Sim”. Um ano após o lançamento, Roberta ganhou o prêmio de DVD de Ouro.

O projeto seguinte de Roberta Sá nasceu numa conversa na Lapa. Em 2010, ela se juntou ao Trio Madeira Brasil (de Marcello Gonçalves, Zé Paulo Becker e Ronaldo do Bandolim) e gravou “Quando o Canto é Reza”, homenagem ao compositor baiano Roque Ferreira. O disco tem coco, maxixe, samba carioca, maracatu, samba-de-roda e 13 canções do compositor – oito delas, inéditas.

No final de 2011, Roberta ultrapassou a marca de 200 mil discos vendidos, com dois CDs e um DVD de Ouro. Apresentou, no ano passado, mais de 100 shows em vários estados brasileiros e em Portugal. “Segunda Pele”, de 2012, é seu quinto disco. Também em 2012, Roberta ganhou o prêmio de Melhor Cantora de MPB no Prêmio da Música Brasileira.

Compartilhar: