Robinson afirma que Henrique Alves nunca morou no RN, é um mentiroso e oportunista

Candidato do PSD parte para o ataque e chama Henrique de “adesista” e “candidato das pesquisas”

TYIU56I3I

O candidato do PSD a governador, Robinson Faria (PSD), elevou o tom das críticas ao candidato do PMDB, Henrique Alves. Em entrevista ao Jornal da Cidade, da FM 94, Robinson disse que o atual presidente da Câmara dos Deputados é o “candidato do acordão”, “o candidato das pesquisas”, “adesista”. Robinson classificou as propostas do adversário de “falácia” e “mentira”, apontou “oportunismo” político e “discurso falso”, além de tratá-lo como “candidato midiático”.

Foi o mais duro momento da campanha eleitoral até o momento. Segundo Robinson, Henrique adere a todos os governos com a promessa de ajudar o Estado, mas não consegue resolver os problemas, lembrando que, mesmo sendo presidente da Câmara, nada fez pelo governo Rosalba Ciarlini (DEM), onde mandava e desmandava, e que em eventos do governo, ele discursava como se fosse o governador e Rosalba a expectadora.

Robinson falou que Henrique não é oposição ao Governo Rosa, já que na gestão atual ainda tem pessoas ligadas a ele, como o secretário de Desenvolvimento, Sílvio Torquato, tio do deputado Gustavo Fernandes (PMDB), a secretário de Assistência Social, que tem o DNA do vice de Henrique, João Maia (PR), e o líder do governo, o democrata Getúlio Rêgo, que vota em Henrique. Robinson acusou Henrique de nunca ter morado no Rio Grande do Norte, de ter nascido no Rio de Janeiro, ter se criado no Rio e de ser carioca.

“A população sabe analisar os fatos e essas são suas propostas de um candidato que nunca morou no Estado, sempre teve uma carreira muito fácil, nasceu pronta nunca cavou com as unhas sua vida pública, já nasceu deputado federal, criado no Rio de Janeiro, carioca, formado no Rio”, disse.

Robinson afirmou que mesmo ocupando um dos cargos mais altos da República, Henrique não trouxe soluções ao governo Rosalba. “Ao contrário muita pirotecnia: afunda o calçadão de Ponta Negra e está lá o deputado Henrique para tirar uma foto. Se tem problema no hospital, ele fala que vai trazer ministro para resolver o problema. É o candidato midiático, é o político da mídia, mas resolutividade nenhuma. Então é uma coisa fantasiosa”, afirmou.

ADESISTA

Robinson disse que o conselho político, sugerido por Henrique, falhou no governo Rosalba. E que o peemedebista passou quatro anos mandando e desmandando na gestão estadual. “O conselho político de Rosalba, hoje está todo contra ela, e foi criado pelo candidato Henrique Alves, que passou quatro anos mandando, desmandando, dando ordens, falando por ela, chegava até em solenidades em que ele falava de projetos como se ele fosse o governador e Rosalba fosse apenas uma expectadora do seu governo, quando ele falava em nome do governo do Estado. Quando o governo perdeu popularidade de forma oportunista, ele se reuniu com esse grupo de ex-governadores”, disse Robinson.

Ainda sobre Henrique ser adesista, Robinson disse que Henrique aderiu e abandonou diversos governos. “Henrique aderiu ao governo de Iberê e de Wilma, ambos tiveram indicações em seus governos, sempre usando o argumento de querer ajudar o Estado, mais sempre indicando nomes para compor a equipe”, criticou, acrescentando que o peemedebista também se aliou aos governos de Micarla de Sousa em Natal, antes de chegar à gestão Rosalba. “O candidato Henrique não voltou na borboleta (Micarla), mas com pouco tempo estava participando e mandando e indicando cargos no governo de Micarla. Se você lembrar, ele indicou a esposa… Micarla naufragou, nem candidata foi, e ele abandonou Micarla”, criticou Robinson.

Na eleição 2010, menos de um ano após ser derrotado no palanque para o governo ao lado do candidato a governador Iberê Ferreira de Souza (PSB), que disputava a reeleição, Henrique aderiu ao governo Rosalba. “Henrique apoiou Iberê e perdeu, mas com pouco tempo ele estava aderindo ao governo Rosalba, chegando a indicar seis secretários. E depois de passar quatro anos mandando e desmandando no governo Rosalba, criou até por ideia dele um conselho político, quando Rosalba perdeu popularidade, Henrique se reuniu com ex-governadores”, disse.

“Vou ganhar a eleição e ele vai ter que sentir o gosto da oposição”

O candidato do PSD, Robinson Faria, afirmou que vai vencer a eleição e que o candidato do PMDB vai sentir o gosto de ser oposição. “Vou ganhar a eleição e ele vai ter que sentir o gosto da oposição”, disse Robinson, que identificou a carreira política do candidato adversário como “grave carreira adesista”, sempre perdendo e aderindo aos vencedores.

“Henrique usa o discurso de oposição, um discurso falso, mentiroso, porque ele está dentro do governo, ele não entregou os cargos, é apenas para manter uma posição de oposição, sem ser oposição. Mais o grave em tudo isso é a sua carreira de adesista, ele perde e adere e governa. E agora eu vou ganhar a eleição e ele vai ter que sentir o gosto de saber o que é oposição”, afirmou Robinson.

Robinson disse que mesmo após romper com Rosalba, Henrique manteve seus indicados e apadrinhados políticos na gestão estadual. “O maior acórdão da história do Rio Grande do Norte… É bom lembrar que é tanta gente do PMDB, que mesmo com esse rompimento que ele fala que rompeu com Rosalba, ainda temos lá secretários afilhados políticos do deputado Henrique Alves, como por exemplo, Silvio Torquato, secretário de desenvolvimento, irmão de Elias Fernandes, tio do deputado Gustavo Fernandes. Temos a secretária de Assistência Social, ligada ao deputado João Maia, vice do meu adversário, o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Getúlio Rego, apoiador também de Henrique Alves. No interior, nos municípios os cargos ainda estão nas mãos do PMDB”, afirmou.

FALÁCIA

Instado a avaliar o discurso do candidato do PMDB, de que tem conhecimento nacional para abrir portas em Brasília, pela influência e por ter sido deputado federal por mais de quatro décadas, Robinson classificou de falácia. “Isso é pura falácia por que ele não resolveu ocupando um dos cargos mais altos da República as soluções do governo de Rosalba, com tanto prestígio que ele tinha não resolveu nada. Não resolveu nada, nada mesmo. Ao contrário muita pirotecnia”, afirmou.

Segundo Robinson, Henrique “nunca viveu o cotidiano das nossas cidades, nunca andou no interior fora do calendário eleitoral, não dialoga com a sociedade, com as corporações, servidores. Agora sim quer dialogar, posar de moderado, nunca foi moderado. É um candidato que teme o voto livre. Se não temesse o voto livre, não teria feito o acordão”, disse, ao criticar a política de aliança do peemedebista, que tenta contemplar todas as correntes políticas dos municípios.

“Ele quer ter com ele todos votando nele, ou ele não se acha preparando para o debate? Ele não confia nas suas propostas? Quer chegar a Pau dos Ferros e ter o apoio da bandeira verde que na vida toda lutou por ele e quer também ao seu lado a bandeira vermelha? Ele quer ter os dois palanques por que tem medo da disputa democrática nas cidades do interior. Ele quer um acordão em Natal e no estado inteiro. Isso demonstra uma fraqueza, medo muito forte de enfrentar o julgamento das pessoas”, completou.

Compartilhar:
    Publicidade