Rolezinhos em shopings são rejeitados por 82% dos paulistanos

Dados do Datafolha negam status de diversão e segregação racial do movimento

Pesquisa mostra paulistanos contra rolezinhos. Foto: Reprodução/Facebook
Pesquisa mostra paulistanos contra rolezinhos. Foto: Reprodução/Facebook

Fenômeno que tomou conta do noticiário nas últimas semanas, o rolezinho é reprovado por 82% da população de São Paulo. O dado é do Datafolha, autor da pesquisa publicada nesta quinta-feira (23). A desconfiança sobre a real motivação do movimento, capitaneado por jovens da periferia da capital, e o suposto preconceito racial também foram levantados na pesquisa.

A grande rejeição da população contrasta com os 11% dos paulistanos que declaram aprovar os rolezinhos. Nem mesmo na zona leste, onde foram registrados alguns dos principais atos de jovens dentro de shoppings da capital, o apoio é de apenas 8%, o menor dentre todas as regiões da cidade, segundo o Datafolha.

Os 73% da população que declarou ir ao shopping pelo menos uma vez por mês em São Paulo destacaram que correrias (70%), gritarias (54%) e aglomerações (46%) – itens presentes nos rolezinhos já registrados – são as atitudes que mais incomodam. A percepção de que os atos não passam de “tumultos” corresponde a opinião de 77% dos entrevistados.

Nem mesmo entre os jovens os rolezinhos possuem grande aprovação. De acordo com a pesquisa, apenas 18% daqueles com idade até 24 anos disseram ser favoráveis aos atos em shoppings.

A tese de discriminação racial, muito debatida por movimentos sociais, não é sustentada pelos dados da pesquisa. Para 80% dos ouvidos pelo Datafolha, a busca por medidas que impeçam a realização dos rolezinhos é considerada correta, enquanto 73% defendem o uso da Polícia Militar para impedir que os encontros aconteçam. Por fim, 72% descartam que exista preconceito pela cor da pele.

Apesar da contrariedade ao rolezinhos, 73% dos entrevistados não aprovam que shoppings possam definir quem pode ou não adentrar aos estabelecimentos comerciais. A pesquisa ouviu 799 pessoas maiores de 16 anos. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

Polícia ouve organizadores de rolezinhos

O delegado Arthur Moreira, titular do 66º Distrito Policial do Vale Aricanduva, na zona leste da capital, recebeu organizadores de rolezinhos nesta quarta-feira (21). Acompanhados de pais e advogados, eles foram ouvidos pela polícia e receberam a recomendação de que era momento de “dar um tempo”, segundo palavras do delegado, diante da repercussão dos atos.

O secretário da Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura de São Paulo, Netinho de Paula, acompanhou o trabalho na delegacia e destacou que a pasta está buscando alternativas junto à Alshop (Associação Brasileira de Shopping Centers). A ideia é propor a criação de um espaço dentro dos shoppings onde jovens possam realizar os seus encontros, sem perturbar a circulação da população dentro dos ambientes.

Ainda de acordo com Moreira, todos os que foram convidados pela polícia e que estiveram presentes decidiram que o rolezinho marcado para acontecer na tarde do próximo sábado (25), no Parque do Ibirapuera, será desmarcado.

 

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade