Romário denuncia grande esquema de corrupção entre governo e CBF

Um calote de três bilhões de reais nos contribuintes brasileiros

O "Baixinho" denunciou a armação para anistiar 3 bilhões de dívidas de clubes de futebol para com o governo. Foto: Divulgação
O “Baixinho” denunciou a armação para anistiar 3 bilhões de dívidas de clubes de futebol para com o governo. Foto: Divulgação

Na terça-feira passada, Romário entrou em campo. Usava, se me permitem a pobreza da imagem, não as sandálias da humildade e da timidez, mas as chuteiras do artilheiro. E fez um gol de placa.

Denunciou ao plenário da Câmara um fato que muitos de seus colegas certamente ignoravam. E uns tantos outros fingiam ignorar — o que não é raro no mundo político. Por interesse direto, ou por contar que seus colegas façam o mesmo, quando for do seu interesse.

Romário simplesmente contou um episódio triste do mundo do futebol profissional.

Aqui vai: no último dia 9, ocorreu em Brasília um jantar no qual o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin, foi recebido por um grupo de mais ou menos 25 deputados e senadores, para discutir um assunto que caridosamente podemos definir como cabeludo.

Ignoro, lamentavelmente, seus nomes e partidos. A opinião pública merecia conhecê-los.

Acontece, e a gente não sabia, que o Ministério do Esporte está preparando uma medida provisória que concederá anistia a dívidas de clubes de futebol do país inteiro, no valor de mais ou menos R$ 3 bilhões.

É a soma do que devem ao INSS, ao Imposto de Renda e ao Fundo de Garantia — que eles simplesmente, ousadamente, não pagaram nos últimos 20 anos.

É um dinheirão, que se explica pela soma dos juros ao longo desse tempão. Provavelmente, é o maior escândalo na história da cartolagem do esporte profissional brasileiro.

A anistia, segundo o nosso craque — que agiu com coragem e sem nada ganhar com isso, a não ser o ódio dos mandachuvas do esporte que é a paixão do povo brasileiro — está sendo preparada pelo Ministério do Esporte.

Em seu discurso-denúncia, Romário não revelou o que ficou acertado no jantar que reuniu o presidente da CBF e parlamentares. Ninguém falou em pagamento: discutiu-se apenas o encaminhamento da anistia.

É uma vergonha, como poucas as que temos conhecido na vida pública brasileira. E também, vale a pena repetir, um gol de placa do nosso artilheiro.

 

Fonte: Coluna de Ricardo Setti/Veja

Compartilhar:
    • ANCHIETA

      QUERO SABER PORQUE ROMARIO NÃ DA NOME AOS BOIS ASSIM FICA DIFICÍL NDE ACREDITAR NA CONVERSA DELE TEM QUE FALAR É FULANO BELTRANO,MAS SEM NOME NÃÓ DAR.

    • Roberto Aladim

      O povo Brasileiro precisa saber o nome dos envolvidos nesta denúncia. Onde anda o ministério público?

    • Francisco Itapuã Duarte Itapuã

      Já fiz o comentário e postei no face