Rosalba Ciarlini sobre Caixa 2 do DEM: “Não é o momento de falar disso”

Governadora do Estado se nega a comentar denúncia do MPF de caixa 2 na campanha dela em 2006

Rosalba Ciarlini tem utilizado como estratégia não comentar as polêmicas que o Governo dela tem se envolvido recentemente. Foto: José Aldenir
Rosalba Ciarlini tem utilizado como estratégia não comentar as polêmicas que o Governo dela tem se envolvido recentemente. Foto: José Aldenir

Parece que já virou rotina: assunto polêmico, escândalo eleitoral e silêncio da governadora Rosalba Ciarlini, do DEM. Afinal, assim como fez quando condenada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e afastada do cargo por usar a máquina pública estadual, Rosalba decidiu que não vai comentar a polêmica matéria publicada pela revista IstoÉ nesta semana, relatando o caixa 2 que a beneficiou na campanha eleitoral de 2006 e, ainda, as suspeitas de favorecimento por parte do Governo à empresa que tinha o senador José Agripino, presidente nacional do DEM, como sócio.

“Não é o momento de falar essas coisas, porque hoje é o dia de celebrar o nascimento do Menino Jesus e contemplar a Arena das Dunas”, afirmou a governadora Rosalba Ciarlini durante a entrevista coletiva concedida no novo estádio de futebol que receberá os jogos da Copa do Mundo de 2014.

A atitude de “não falar de coisas ruins” e utilizar o local como “justificativa” foi a mesma tomada por Rosalba depois de conseguir um mandado de segurança que a garantiu no cargo mesmo com a condenação no TRE. “Vamos falar agora dos jogos e do esporte? Os jovens estão esperando para receber as homenagens”, disse a governadora quando questionada se a decisão do Tribunal havia mudado alguma coisa no futuro político dela.

O evento de Atleta Ouro onde Rosalba fez tão declaração era a “reaparição” dela depois de três dias de reclusão na residência oficial do Governo, motivada pela condenação no TRE.

“Nós vamos continuar trabalhando. O que passou, passou. Daqui para frente, sempre mais trabalho pelo nosso Estado e desejando a todos um Feliz Natal e um ano novo de muitas realizações”, acrescentou a governadora, naquela oportunidade, após ser perguntada pela repórter Carolina Souza.

A condenação ali foi motivada pelo uso da máquina pública estadual, mais precisamente o avião oficial do Governo do Estado, na campanha da candidata apoiada por ela, Cláudia Regina (DEM). Rosalba, por ter perdido o prazo do recurso, ficou inelegível por oito anos e, por entendimento do Tribunal Regional Eleitoral, foi afastada do cargo e passou três dias sem agenda oficial, apenas despachando de casa.
A polêmica desta semana é outra. Faz referência não a campanha de outros, mas sim da própria Rosalba Ciarlini, quando ela foi candidata ao Senado Federal em 2006. Os áudios descritos pela revista IstoÉ, por sinal, são os mesmos que O Jornal de Hoje publicou no início do ano e que a governadora, também, se recusou a comentar, deixando tal trabalho para os advogados.

Nesses áudios, por sinal, é possível ouvir o marido de Rosalba, Carlos Augusto Rosado, conversando com o contador Galbi Saldanha e discutindo o que parece ser estratégias para a regularização de dinheiro por meio de Caixa 2. Por isso, agora, o MPF decidiu desarquivar o inquérito e continuar as investigações que podem render um novo processo contra a governadora. (CM)

 

José Agripino também silencia sobre acusação de tráfico de influência da revista IstoÉ

O senador José Agripino Maia, presidente nacional e estadual do DEM, silenciou sobre a acusação, feita pela revista Isto É, de que ele teria feito tráfico de influência em favor da Empresa Industrial Técnica (EIT), conforme reportagem veiculada na semana passada. Através de declarações concedidas a setores da imprensa ligados ao agripinismo e ao rosalbismo, o democrata não falou sobre desdobramentos ligados à governadora Rosalba Ciarlini.

A IstoÉ trouxe matéria ligando o fato de a EIT ter negócios com o governo Rosalba ao fato de Agripino ter sido sócio da empresa até recentemente. Para completar, a revista cita que a EIT realiza obras importantes para o governo Rosalba, como o Contorno de Mossoró, e que em 2013 já abocanhou mais de R$ 150 milhões em contratos com o governo do DEM no RN. O fato de José Agripino ter recebido R$ 550 mil em doações da EIT na campanha eleitoral de 2010, quando ele concorreu ao Senado, também foi lembrado pela revista.

Sobre a reabertura do caso que dá conta de Caixa 2 na campanha de 2006, que elegeu a ex-prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini, ao cargo de senadora da República, José Agripino atribuiu aos adversários do DEM, o que seria uma reação à atuação do parlamentar nacionalmente no caso do Mensalão.

Agripino disse que, além do caso ser requentado, ele possui um recibo que legaliza a doação que ele fez durante a campanha. “É uma tentativa clara de desviar atenção com acusações frágeis que não se sustentam. Tenho o recibo de uma doação legal feita pelo então PFL – que nem DEM era ainda – ao candidato a deputado estadual Salatiel de Souza. Matéria requentada fruto do efeito Mensalão”, declarou.

Além de reabrir o caso do Caixa 2 do DEM potiguar, a revista IstoÉ também informa que a Polícia Federal estaria investigando o senador José Agripino, juntamente com a própria governadora Rosalba Ciarlini. A participação de Agripino, do DEM, e da governadora Rosalba Ciarlini, em suposta parceria com o empresário Edvaldo Fagundes, na campanha de Mossoró, também foi citado pela revista.

Fagundes é acusado de sonegar mais de R$ 400 milhões através das suas empresas. Parte dos recursos serviria para abastecer as campanhas eleitorais do DEM no Rio Grande do Norte. Segundo o Ministério Público, cerca de R$ 2 milhões teriam sido utilizados pelo empresário na campanha de Claudia Regina. (AV)

Compartilhar: