Ruy Cabeção detona arbitragem e CBF após queda do Mixto na Copa do Brasil

O clube mato-grossense deixou a Vila Belmiro com sentimento de que "foi roubado."

Ruy Cabeção detonou a CBF. Foto: Divulgação
Ruy Cabeção detonou a CBF. Foto: Divulgação

Com a experiência de ter jogado em diversos clubes grandes do País, o meia Ruy Cabeção agiu de porta-voz do Mixto, de Cuiabá, para externar a revolta do clube com a arbitragem na derrota por 3 a 0 para o Santos pela Copa do Brasil. O clube mato-grossense deixou a Vila Belmiro com sentimento de que “foi roubado.”

A bronca dos cuiabanos recai sobre a arbitragem de Braulio da Silva Machado, de Santa Catarina. Um pênalti anotado por ele, aos 21 minutos da fase final, de Ricardo Ehle sobre Thiago Ribeiro e que não aconteceu, praticamente decretou a eliminação. Naquele momento o jogo estava 1 a 0 e o Mixto precisava do empate para avançar na Copa do Brasil. Levou 2 a 0 e praticamente desistiu da partida.

“Se a gente analisar bem o futebol, 1 a 0 para o Santos ainda era um grande resultado para o Mixto. O empate com gols era para a gente, mas a partir do momento que o árbitro fez a covardia de marcar esse pênalti, ai já complicou, tirou o Mixto completamente do jogo”, detonou Ruy, à Rádio ESPN.

O atleta com passagens por Botafogo, Fluminense, Grêmio e Cruzeiro, também não poupou críticas à CBF, sobretudo pelo calendário nacional. Seu clube agora só volta a jogar no segundo semestre.

“Esse diabo desse juiz não tem noção do que é o calendário do futebol brasileiro. É uma covardia, não sei o que os caras da CBF fazem lá em cima, esses caras que dirigem não sabem que mais de 500 mil jogadores, incluindo esses aqui, vão pra casa trabalhar de quê? Viver de quê? Estão tudo desempregado. Esse juiz não, começa o Brasileiro e esse cara vai continuar trabalhando”, protestou o camisa 10 do Mixto. “Ao pessoal da CBF não vão faltar pão e café, estão de terno e gravata, sentados numa máquina que gira dinheiro, mas são uma cambada de incompetente, não conseguem fazer um calendário. Hoje, o time do Mixto está todo desempregado. Amanhã o cara vai trabalhar de porteiro e a CBF não quer saber de nada disso.”

Ruy bateu duro na CBF e espera que suas palavras possam ajudar a melhorar o futebol nacional. “A CBF não pode calar nossa voz. Com 36 anos conquistei algumas coisas, mas hoje estou desempregado por um calendário pífio, pobre, de pessoas ultrapassadas. Eles podem ser donos de empresa, mas não conhecem a realidade do futebol.”

Fonte: Estadão

Compartilhar:
    Publicidade