SAFERN denuncia o Alecrim ao Ministério Público do Trabalho

Além dos salários atrasados, vários jogadores estão irregulares

Presidente da SAFERN, Felipe Augusto, defende o direito dos atletas. Foto: Divulgação
Presidente da SAFERN, Felipe Augusto, defende o direito dos atletas. Foto: Divulgação

O Sindicato dos Atletas Profissionais do Rio Grande do Norte denunciou o Alecrim Futebol Clube ao Ministério Público Federal do Trabalho, por quebra do Termo de Ajustamento de Conduta assinado em novembro de 2012, inclusive subscrito pelo Alecrim. De acordo com o presidente da SAFERN, Felipe Augusto, a agremiação não cumpriu o TAC e está cometendo uma série de irregularidades trabalhistas como salários atrasados e carteias de trabalho não assinadas. A multa por descumprimento da ordem jurídica é mil reais por infração, podendo chegar a R$ 40 mil por mês.

“O sindicato recrimina todas essas irregularidades e o papel da SAFERN é denunciar a entidade jurídica Alecrim Futebol Clube ao Ministério Público Federal para que haja a regularização salarial dos atletas, pois os jogadores não recebem há quatro meses e estão passando fome”, disse Felipe que também constatou vários atletas sem carteira de trabalho assinada, um documento importante e necessário para o empregado anotar o contrato, solicitar seguro-desemprego, comprovar tempo para aposentadoria e demais direitos trabalhistas.

“É um absurdo o que vem acontecendo no Alecrim, além dos salários atrasados, temos vários atletas em situação irregular. O empregador que contratar empregado, não pode negar-se a assinar a carteira de trabalho deste. É lei, e quem descumprir estará sujeito as penalidades do Ministério Público”, avisa. O advogado e presidente da SAFERN também reprovou os comentários do vice-presidente alecrinense, Washington Fernandes, quando disse que crises financeiras em clubes de futebol eram normais.

“Não tem nada de normal nessa situação, não é normal ver jogadores passando fome. O que o Alecrim está fazendo é de uma irresponsabilidade gigantesca, é triste e lamentável essa falta de respeito aos direitos dos atletas”, disse Felipe Augusto. A diretoria do Alecrim prometeu pagar hoje o salário atrasado do mês de outubro.

Compartilhar: