Saudações tricolores

Encerrado o Campeonato Nacional de 1972, o telefone toca na casa simples da Rua Mato Grosso, bairro de Neópolis em…

Encerrado o Campeonato Nacional de 1972, o telefone toca na casa simples da Rua Mato Grosso, bairro de Neópolis em Natal. Ligação interurbana e do Rio de Janeiro. O dono da casa atende e recebe instruções objetivas. Desliga e parte para sua terceira missão. Não falhara nas duas anteriores.

Assume a direção do seu Fusca, ruma até Morro Branco pelas ruas tranquilas da deserta  Zona Sul de Natal e transmite a informação passada a milhares de quilômetros de distância. O interlocutor se interessa, fica animado, chama seus chefes que também enchem os olhos de cobiça e estão abertas as negociações secretas.

O homem volta para casa, faz a ligação(que será paga do próprio bolso) e informa as condições impostas pelo outro lado. Que são prontamente aceitas com uma condição. Apenas uma. Ele volta acelerando o carro até Morro Branco, diz que está tudo certo e apresenta a única exigência para o acordo ser fechado. O interlocutor levanta-se do sofá, passa a mão na cabeça e rejeita para surpresa.

- De jeito nenhum, não sou jogador de testes !
Assim, Aluizio Menezes de Melo, representante oficial do Fluminense em Natal , recebeu o não do maior craque potiguar dos tempos modernos, Alberi, à proposta do tricolor carioca de levá-lo ao Rio de Janeiro desde que fizesse 15 dias de testes.  Jorginho, o Professor,  dominou a primeira fase até 1968.

>>>

Alberi acabara de ser escolhido Bola de Prata, o melhor de sua posição,  superando grandes feras como Dirceu Lopes do Cruzeiro, Tostão do Vasco da Gama e Jairzinho do Botafogo., todos incluídos entre os 22 convocados pelo técnico Zagallo para a Mini-Copa, torneio criado pela CBD(Confederação Brasileira de Desportos) para comemorar os 150 anos da Independência e exibir ao mundo a febre de estádios construídos do Amazonas ao Rio Grande do Sul.

O nosso saudoso Castelão foi um deles e nele jogou o craque português Eusébio, desfilando seu estilo de pantera pela relva arrancada de Lagoa Nova em uma vitória fácil de 3×0 sobre o Equador. Tenho esse jogo guardado em DVD com imagens da emissora portuguesa RTP  e a simples passagem dos olhos pelas arquibancadas ainda descobertas do estádio me arrancam lágrimas de saudade e inconformismo. Mas deixa pra lá que o importante são as arenas e os seus leões.

Depois das tratativas por telefone, o  Fluminense havia concordado com o salário pedido por Alberi, mais a casa com piscina, carro e colégio para os filhos. Alberi tinha 27 anos e o Fluminense não queria arriscar, segundo seus dirigentes. Aluizio Menezes ficou frustrado com sua única falha em três tentativas.

Quem terminou vestindo a camisa 10 nas Laranjeiras foi simplesmente Gerson, o Canhotinha de Ouro, Tricampeão Mundial pelo Brasil no México/70, que acabou  ganhando o Carioca de 1973 e sendo vice da Taça Guanabara de 1974, quando resolveu encerrar sua carreira.

>>>

Na primeira investida de Aluizio Menezes , na década de 1950, descobriu um volante habilidoso e bom de passe no ABC e logo o indicou ao Fluminense, onde seria campeão carioca de 1959 ao lado de Telê Santana, de quem se tornaria um grande amigo: Edmilson Piromba.
Na metade da mesma década, encantou-se no Estádio Juvenal Lamartine com um garoto atrevido e driblador na ponta-esquerda do time da Rede Ferroviária, onde trabalhava. O menino bailava e humilhava todos os laterais que se atreviam a marcá-lo naquele Torneio Início.

Aluizio Menezes indicava e o Fluminense levava Lula, natural de Recife, criado no bairro praiano das Rocas e um dos maiores do país em sua posição, campeão carioca em 1969 e 1971, Brasileiro pelo Fluminense em 1970, pelo Internacional em 1975 e 1976 e Gaúcho em 1974, 1975 e 1976 e da Mini-Copa em 1972 e do Bicentenário em 1976 pela seleção brasileira.  A cada conquista do Flu, Lula mandava pelo Correio a camisa do jogo para o seu descobridor.

Lula foi um fenômeno de injustiça. No seu tempo, apenas Edu, do Santos, conseguiu ser melhor e mais técnico e driblador do que ele. Lula entortava laterais com a facilidade de quem batia peladas na areia da  Praia do Meio e jogava futebol de salão no Campeonato dos Comerciários.  Com Zagallo e Cláudio Coutinho inventando o quarto homem e anulando os verdadeiros pontas, perdeu seu lugar.

Jornalista, advogado, professor universitário, radialista e pesquisador, Aluizio Menezes estava afastado do esporte há três décadas. Foi sepultado ontem  aos 85 anos. Deixa como sucessor desportista o filho Fred Menezes, diretor das categorias de base do ABC. Saudações tricolores para Aluizio, também torcedor americano., embora, dissimulado e para conservar imparcialidade, afirmasse que era Ferroviário em Natal.

 

Campeonato
E hoje começa a Copa RN com o ABC sentindo o vento agreste de Goianinha e enfrentando o singular Palmeira no Nazarenão, terreno onde sempre reinou o América. Será às 20 horas com transmissão ao vivo pelo Canal Esporte Interativo, para quem tem Cabo TV.

O que esperar
Um ABC desentrosado, cheio de jogadores desconhecidos uns dos outros, de apostas trazidas por empresários. Um ABC que não pode ser comparado ao time que animou a Frasqueira ao final da Série B. Só a presença alvinegra garante algum atrativo para a Copa RN, que é sofrível.

Homenagem
O maior gesto do novo presidente do América, Gustavo  Carvalho, em sua posse, foi homenagear ex-craques históricos como Assis e Véscio, heróis do campeonato de 1967, o primeiro do clube após o licenciamento de 1959 a 1966, para a construção da sede da Rodrigues Alves.

Rubinho
Será o meu xará o responsável pela criação de jogadas no meio-campo do América. Rubinho vem da Luverdense, que subiu da Série C para a B e com cartaz. Em Mato Grosso, é tido como um jogador “habilidoso, criativo e que cobra faltas com categoria”. Quando batia peladas, eu levava apenas uma vantagem: finalizava também. Contra.

Dupla de sonhos
É possível juntar o tempo? É. A dupla de zaga do ABC do século provou ao se reunir esta semana em Natal. A presença mítica de Edson Capitão, do tetra de 1973 e Alexandre Mineiro, do timaço de 1983, arrepiou velhos corações alvinegros. Juntos, seriam intransponíveis em campo.

Compartilhar: