Secretaria confirma entrega da obra de reurbanização para o mês de maio

Obras na orla urbana de Natal foram iniciadas em outubro e têm custo total de R$ 14 mi

Projeto inclui novo passeio público, quiosques, construção de decks, caramanchões, banheiros públicos, academias da 3ª idade e outros equipamentos. Foto: José Aldenir
Projeto inclui novo passeio público, quiosques, construção de decks, caramanchões, banheiros públicos, academias da 3ª idade e outros equipamentos. Foto: José Aldenir

Roberto Campello

Roberto_campello1@yahoo.com.br

A reurbanização da orla urbana de Natal, que compreende o trecho da Praia do Forte até Areia Preta, além da praia de Ponta Negra, segue em ritmo acelerado e acima do cronograma inicial das obras, segundo informou o secretário municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi). As obras iniciaram em 22 de outubro e a Secretaria mantém a previsão de que elas sejam entregues em maio de 2014. A empresa responsável pela obra é a construtora Ramalho Moreira. Atualmente, a construtora trabalha com três frentes na praia de Ponta Negra, Praia dos Artistas e Praia do Meio.

Os recursos para a reurbanização são provenientes do Ministério do Turismo com contrapartida da Prefeitura do Natal no valor de R$ 14 milhões. De acordo com o projeto da Semopi, além de novo passeio público e quiosques, a obra conta com a construção de decks, caramanchões (espaço que pode ser utilizado para descanso e reflexão), banheiros públicos, academias da terceira idade, parque infantil (playground), salva-vidas (dois), iluminação, escadarias, rampas, estacionamentos, paisagismo e ajardinamento.

Na praia de Ponta Negra, de um lado, as obras do enrocamento aderente estão paralisadas há mais de dois meses. Do outro lado, alguns operários estavam trabalhando na construção dos quiosques. Outra frente de trabalho estava concluindo o trabalho de relocação do piso intertravado, vindo do Morro do Careca no sentido Via Costeira. O comerciante Júlio César Batista reclamou da demora das obras, a qual ele se referiu como ‘operação tartaruga’.

“Eles passam três semanas para levantar um quiosque desse, que normalmente seria feito em, no máximo, dois dias. Eles são muito devagar e só está causando transtorno aos pedestres e turistas. À noite, sem segurança, os quiosques servem de ponto de droga, pois os marginais entram e se escondem por lá”, denunciou o comerciante Júlio César.

Na orla da praia do Meio e do Forte, as obras seguem em um ritmo mais acelerado. Parte do calçadão da praia dos Artistas já foi refeito. Na praia do Meio, um grupo de operário trabalha na recuperação do calçadão, trocando o piso antigo pelo piso intertravado, nas proximidades da estátua de Iemanjá. Poucos metros depois, outro grupo de operários trabalha na construção dos quiosques, que já está na fase final de acabamento. Na praia do Forte, o trabalho consiste na troca do piso. Ao longo da orla, o trânsito ainda está complicado, pois os entulhos da obra ocupam parte da via.

O comerciante Francisco das Chagas de Oliveira, que há mais de 15 anos trabalha na praia do Meio, disse estar satisfeito com o andamento das obras. Segundo ele, a praia era esquecida dos órgãos públicos há anos e agora vai passar por um novo momento. “Acredito que a partir de agora, depois que a obra ficar pronta, as praias desse lado vão ser bem mais valorizadas e conseguir atrair bem mais turistas. Ganha a população, ganha os comerciantes e ganha os turistas”, afirmou o comerciante.

Compartilhar:
    Publicidade