Secretário Geral da Fifa promete investir R$ 50 milhões no Brasil

Dinheiro é para bancar projetos sociais, educacionais e de saúde

Secretário Jérôme Valcke visitou projeto do jogador Jorginho. Foto: Divulgação
Secretário Jérôme Valcke visitou projeto do jogador Jorginho. Foto: Divulgação

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, anunciou hoje que a Fifa vai criar em março um “fundo de legado da Copa do Mundo”. Por meio dele, a entidade máxima do futebol vai investir pelo menos US$ 20 milhões (cerca de R$ 50 milhões) em projetos educacionais, sociais e de saúde no Brasil. Valcke disse que detalhes sobre o fundo e os projetos apoiados ainda serão divulgados.

Ele adiantou, porém, que a ideia da Fifa é apoiar iniciativas que tenham alguma relação com o futebol e que prezem, principalmente, pelo desenvolvimento de crianças brasileiras. O tal fundo de legado será a segunda iniciativa social da Fifa no Brasil. A primeira é a Football for Hope (Futebol para Esperança), que vai destinar US$ 1 milhão (cerca de R$ 2,5 milhões) a 25 projetos brasileiros. Um desses projetos é o Bola para Frente, visitado nesta quinta-feira por Valcke e uma comitiva da Fifa. O Bola para Frente oferece atividades esportivas e educacionais para crianças em Guadalupe, na periferia do Rio.

O projeto é coordenado pelo ex-jogador e agora técnico Jorginho, que foi campeão da Copa do Mundo de 1994 jogando pela seleção brasileira. Só o Bola para Frente receberá US$ 200 mil (cerca de R$ 500 mil) da Fifa por meio de repasses do Football for Hope. Valcke anunciou que outros US$ 800 mil (quase R$ 2 milhões) também serão repassados por meio do fundo de legado. Com o dinheiro, o Bola para Frente espera ampliar o número de crianças atendidas no projeto e construir um novo prédio em sua sede, em Guadalupe.
“A Fifa quer organizar a Copa do Mundo, mas também quer deixar um legado social”, afirmou Jorginho.

Compartilhar: