Sem mercado, Daniel Alves deve deixar Barcelona por “esmola”

A diretoria catalã não esperará uma possível valorização do jogador para vendê-lo

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

De volta das férias pós-Copa do Mundo, Daniel Alves se reapresentou ao Barcelona nesta terça-feira e, de acordo com informações publicadas pelo jornal Sport, será chamado para uma reunião com a diretoria azul-grená para ser informado de que não permanecerá na equipe catalã na próxima temporada. O preço de sua saída, entretanto, deve ser menor do que o clube de Camp Nou imaginava.

Segundo informou o diário Marca nesta terça-feira, o Barcelona está conformado com o fato de que não lucrará muito com o lateral direito brasileiro nesta janela de transferências. Com 31 anos, ele se desvalorizou excessivamente após a Copa do Mundo e deve ser liberado por um valor próximo aos 5 milhões de euros (R$ 15 milhões).

A diretoria catalã, entretanto, não esperará uma possível valorização do jogador para vendê-lo. Ela entende como necessária a saída imediata do atleta, que ocupa muito espaço na folha salarial do clube – aproximadamente R$ 700 mil mensais.

De acordo com cálculo realizado pela Pluri Consultoria no início de julho, Daniel Alves vale, atualmente, 12,7 milhões de euros (R$ 38,5 milhões). Antes da Copa do Mundo, ele era avaliado em 14,5 milhões de euros (R$ 43,9 milhões). Ou seja, teve desvalorização de 12,4% – muito por causa de seu péssimo desempenho no Mundial disputado em solo brasileiro.

Nenhuma proposta recebida pelo Barcelona até aqui, porém, gira em torno destes valores. A maior, até aqui, teria sido da Inter de Milão, que pode ter oferecido 6 milhões de euros (cerca de R$ 18 milhões) pelo lateral direito. Como ele pretende atuar na Inglaterra, especula-se que o time catalão só irá aceitar os 5 milhões de libras (R$ 19 milhões) que devem ser postos na mesa pelo Liverpool.

Mesmo assim, eles estarão muito distantes dos 32 milhões de euros (R$ 97 milhões) desembolsados pelo Barcelona em 2008 para tirar o então promissor jogador baiano do rival Sevilla. De lá para cá, Daniel foi titular absoluto do melhor time da história da Catalunha, que conquistou quatro títulos espanhóis, duas Copas do Rei, duas Ligas dos Campeões da Europa e dois Mundiais de Clubes em cinco anos.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade