Sem propaganda enganosa – Alex Medeiros

Por Merval Pereira A maior discussão entre os cientistas políticos e estudiosos do marketing eleitoral hoje é sobre a real…

Por Merval Pereira

A maior discussão entre os cientistas políticos e estudiosos do marketing eleitoral hoje é sobre a real força que a propaganda gratuita de rádio e televisão ainda tem numa campanha presidencial. Ontem, em um seminário na Fundação Getulio Vargas promovido pelo Ibre, este foi um dos pontos mais interessantes da discussão, sem que se chegasse a uma conclusão.

Não existem no país levantamentos consistentes sobre o poder de persuasão da propaganda eleitoral sobre o eleitorado, ainda mais com o fenômeno das redes sociais interferindo dramaticamente na audiência das televisões abertas e a ampliação do alcance das transmissões televisivas a cabo num público que, se antes era de nicho nas classes mais altas, hoje atinge a classe C e vai se espraiando pelas D e E com pacotes acessíveis, sem contar com o “gatonet” que está sendo combatido justamente pela criação de planos mais baratos para esse público.

Há quem imagine que a audiência da propaganda eleitoral que começa a 15 de agosto tenha uma redução de 50% em relação às eleições em que este era o principal meio de o candidato de apresentar ao grande público. Em 1989, quando o desconhecido governador de Alagoas Fernando Collor disputou e ganhou a presidência República, um dos seus diferenciais na competição foi o uso de modernas tecnologias nas propagandas de rádio e televisão, dando início a uma verdadeira mania nacional de marqueteiros políticos.

A eleição de Lula em 2002, com a criação do personagem “Lulinha, Paz e Amor” pelo marqueteiro Duda Mendonça, foi o auge desse império propagandístico que pode estar chegando ao fim com o advento de novos meios de comunicação. O papel cada vez mais importante das redes sociais só não é decisivo como deve ser dentro de alguns anos por que hoje essas novas mídias ainda estão dominadas por conceitos marginais de distribuição de informações, e é utilizada hoje mais como instrumento de divulgação de ofensas e calúnias contra os adversários do que para difundir projetos e programas de governo.

A tendência, no entanto, é que a propaganda através das redes sociais vá ganhando força com o passar dos tempos, deixando em segundo plano a propaganda pela televisão. Uma conseqüência dessa redução de importância será benéfica para a política nacional: a correspondente redução do poder dos partidos de vender seus minutos de propaganda em troca de benesses do governo.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) define o tempo de televisão e rádio na propaganda eleitoral de cada um dos candidatos, baseado nas alianças partidárias e no tamanho de cada bancada no Congresso. Esse critério faz com que bancadas sem prestígio político, mas com muitos membros, ganhem poder eleitoral para atuar nas coalizões.

Comandando uma coligação mais ampla do que a de Lula, a presidente Dilma terá não apenas quase o dobro de tempo que a soma dos dois principais candidatos de oposição, Aécio Neves, do PSDB, e Eduardo Campos, do PSB, como, nas inserções de 30 segundos somadas, terá nada menos que 123 minutos espalhados pela programação de cada emissora de canal aberto do Brasil nos 45 dias da campanha eleitoral.

Esses spots publicitários é que são as novas pérolas dos marqueteiros, que já chegaram à conclusão de que através deles poderão vender a imagem e as ideias de seus candidatos ao telespectador que, assistindo a seu programa favorito, será apanhado de surpresa pela propaganda política, assim como é surpreendido pelos anúncios das programações normais.

O volume de publicidade a que Dilma tem direito é equivalente, segundo especialistas, ao lançamento de um modelo novo de carro para consumo popular. O desconhecimento sobre o que vai acontecer nessa área é generalizado, mas há uma certeza: um marqueteiro apenas não ganha sozinho uma eleição presidencial. Ou seja, o carro a ser vendido não pode ser fruto de uma propaganda enganosa. As redes sociais destroem essa falsa mercadoria em poucas horas. (MP em O Globo)

Pesquisas

Em julho de 1986, o candidato do PMDB ao governo, Geraldo Melo, ainda não havia ultrapassado João Faustino (PDS) e estava em campanha desde fevereiro. Várias pesquisas já haviam sido publicadas nos jornais de Natal e de Mossoró.

Pesquisas II

Em julho de 2014, com o candidato do PMDB considerado favoritíssimo pelas principais lideranças políticas do estado, não se vê qualquer sinal da publicação de pesquisas para comprovar de uma vez a vitória anunciada e festejada de véspera.

Eleição Paraíba

A edição de hoje do Correio da Paraíba traz uma pesquisa do instituto paraibano Souza Lopes com resultados para governador do estado vizinho e para presidente da República. Cássio Cunha Lima (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) na frente.

Governador

O candidato tucano Cássio Cunha Lima tem 45,5% das intenções de voto na Paraíba. Em segundo lugar vem Ricardo Coutinho, do PSB, com 29,2%. Já o candidato do PMDB, Vital do Rêgo Filho, tem no momento apenas 4,4% na terceira posição.

Presidente

A exemplo do Rio Grande do Norte, a eleição presidencial na Paraíba mostra Dilma Rousseff (PT) liderando com sobras, atingindo 47,4%. Os candidatos Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB) estão num empate técnico rigoroso, 12,9% a 12,6%.

Cuide do seu dinheiro

Eu acredito piamente no conselho dado pelo banco Santander aos seus clientes vips. A economia brasileira vai deteriorar mais ainda se Dilma for reeleita em outubro. Alertas internacionais sobre tais riscos já foram dados bem antes do banco espanhol.

Deu no Wall Street Journal

“Petrobras se converteu na petroleira mais endividada do mundo, a produção estancou, enfrenta várias investigações, mas as ações estão em alta graças às pesquisas que indicam já não ser tão segura a reeleição da presidente Dilma Rousseff em outubro”.

Deu na Veja

“Silêncio sobre o crime do Boeing cometido pela Rússia, ataque a Israel, o alvo número 1 do terror, e, em Brasília, tratamento servil ao ditador de Cuba mostram a falência moral da política externa de Dilma”. Eis a chamada na capa da revista da Abril.

Fala FHC

“O Primeiro Mundo não é um país que tem muito PIB. É um país em que se vive melhor. Em que se tem segurança, educação, respeito e dignidade. Portugal não tem PIB nenhum e é mais Primeiro Mundo do que o Brasil”. Entrevista na IstoÉ.

Fórmula Um

Primeira fila alemã com Nico Rosberg e Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Hungria nesse domingo. O filho de Keke Rosberg deverá conquistar mais um título para a Alemanha, país da F1 e do futebol. Pelo jeito, irão vencer até na vaquejada.

 

Compartilhar:
    Publicidade