Sem vencer há dois meses, Ponte vence ABC com gol aos 51 do segundo tempo

Com um gol do atacante Edno, de pênalti, aos 51 minutos do segundo tempo, a Ponte Preta conquistou sua primeira…

Grave contusão de jogador da Ponte marcou o jogo. Foto: Divulgação
Grave contusão de jogador da Ponte marcou o jogo. Foto: Divulgação

Com um gol do atacante Edno, de pênalti, aos 51 minutos do segundo tempo, a Ponte Preta conquistou sua primeira vitória no Campeonato Brasileiro da Série B. Embora tenha dominado a maior parte do jogo, o time de Campinas suou para bater o ABC, por 2 a 1, na tarde deste sábado, no Estádio Moisés Lucarelli, pela quarta rodada.

Com este resultado, a Ponte encerra um jejum de quase dois meses sem vitórias. Desde a vitória sobre o Náutico-RR, por 4 a 1, pela Copa do Brasil, foram três derrotas e cinco empates seguidos. Agora, os paulistas segue invictos e encostaram nos líderes, com seis pontos. Os potiguares estão uma posição acima, com sete pontos.

A nota triste do jogo ficou por conta da grave lesão no tornozelo esquerdo do volante Fernando Bob. Ele precisou ser encaminhado à Santa Casa de Valinhos, já que havia suspeita de fratura. Àquela altura, a Ponte vencia por 1 a 0, mas acabou se abatendo com a contusão.

Nada de chinelinho!

O fato dos salários estarem atrasados há 15 dias não parecem ter afetado os jogadores da Ponte Preta. Quando a bola rolou, o que se viu foi os donos da casa fazendo uma “blitz” na defesa do ABC. Logo aos três minutos, o time assustou, quando o atacante Alexandro bateu de virada, à esquerda da meta do goleiro Gilvan.

Nos minutos seguintes, a Macaca continuou controlando o jogo e acuando o adversário na defesa. O problema é que o time encontrou muitas dificuldades para buscar espaços para a finalização. Tanto que o goleiro do time potiguar seguiu sem “pegar na bola” por muitos minutos.

Mesmo limitado à defesa, os visitantes conseguiram assustar aos 20 minutos. Em um chutão para frente, o goleiro Roberto e o zagueiro Diego Sacoman deram um “encontrão”. Por sorte, a bola sobrou nos pés do zagueiro César e não do atacante Gilmar, que sairia livre na cara do gol.

A partir dos 30 minutos, a Ponte aumentou ainda mais o ritmo, enquanto o adversário abusava das faltas para parar as jogadas. A boa atuação alvinegra finalmente deu resultado aos 38. Após tabela com o meia Rodolfo, o lateral Daniel Borges cruzou na medida, pela direita. Alexandro emendou um belíssimo voleio, no ângulo esquerdo do goleiro.

Emoções à flor da pele

Na segunda etapa, a Ponte sofreu um duro golpe logo no início. Aos cinco minutos, o volante Fernando Bob disputou uma bola pelo algo e, quando caiu, torceu feio o tornozelo. Quando as imagens focalizaram o jogador, seu pé estava torto. O drama foi similar ao vivido por Ferrugem, em 2013, quando lesionou gravemente o tornozelo, após entrada criminosa do atacante Danielzinho, do São Caetano.

A cena de Fernando Bob se contorcendo de dor e chorando muito abateu, sobretudo os jogadores pontepretanos. O meia Léo Cittadini e o atacante Edno chegaram até mesmo a chorar. Isso se refletiu no emocional dos alvinegros. Tanto que o jogo caiu drasticamente.

Com o adversário visivelmente abatido, o ABC foi ganhando terreno. Até que aos 33 minutos chegou ao empate. Após escanteio da esquerda, a defesa pontepretana falhou e o zagueiro Samuel bateu de primeira, na saída do goleiro Roberto. Os donos da casa não conseguiram mostrar poder de reação para fazer o segundo.

Isso só aconteceu graças a um pênalti anotado pelo árbitro em cima de Alexandro. O camisa 9 foi “malandro” e deixou o corpo para ser atingido pelo volante Daniel Amora. Na cobrança, Edno soltou uma bomba, o goleiro chegou a tocar, mas a bola entrou.

Próximos Jogos

Na próxima terça-feira, às 21h50, a Ponte Preta volta a campo para enfrentar o Oeste, no Estádio dos Amaros, em Itápolis. Enquanto isso, o ABC joga contra o Sampaio Corrêa, somente no próximo sábado, no Estádio Iberezão, em Santa Cruz. Antes, joga pela Copa do Brasil contra o Atlético-GO, na quarta-feira, em Goiânia.

Fonte: Futebol Interior

Compartilhar: