Senadores pedem reembolso de Botox, implante e acupuntura

Na lista dos processos consta um do ex-senador Milton Cabral no qual é pedido o reembolso de R$ 2,2 mil para o pagamento de aplicações de Botox

Renan Calheiros pediu que a Casa arcasse com despesas de um tratamento de "implante hormonal" de R$ 1.904. Pedido foi negado. Foto:Divulgação
Renan Calheiros pediu que a Casa arcasse com despesas de um tratamento de “implante hormonal” de R$ 1.904. Pedido foi negado. Foto:Divulgação

Além do pedido de ressarcimento com serviços odontológicos, senadores e ex-parlamentares enviaram à Casa notas de despesas com tratamentos estéticos, incluindo uso de Botox. O Senado, tido como liberal nessa área e detentor de um sistema de reembolso considerado “temerário”, nem sempre aceita tais pedidos.

Na lista dos processos encaminhados à Secretaria de Assistência Médica e Social do Senado (SAMS) consta um do ex-senador Milton Cabral (PB), que deixou a Casa em 1986, no qual é pedido o reembolso de R$ 2.200 para o pagamento de aplicações de Botox.

O processo, de agosto de 2013, não deixa claro se o tratamento foi feito pelo ex-parlamentar ou por sua mulher, Miriam Cabral. Os dois aparecem como “pacientes” no documento que inclui outras despesas médicas, num total de R$ 5.110.

A estratégia do “vai que cola” também foi adotada pelo próprio presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Em processo de 2011 no qual o senador alagoano e sua mulher, Verônica Calheiros, constam como pacientes, ele pede que a Casa arque com despesas de um tratamento de “implante hormonal” de R$ 1.904. A equipe técnica rejeitou o pedido. Por meio de sua assessoria, Calheiros informou que não comentaria o pedido de reembolso.

Agulhas

No mesmo ano foi levado à mesa da diretora do SAMS, Lêda Braga, o pedido do ex-senador João Durval em que ele pede que o Senado desembolse R$ 50 para o pagamento de agulhas de acupuntura. A solicitação não foi adiante. Por sua vez, o ex-senador Jonice Tristão (ES), que deixou o Senado em 1999, como suplente, tentou emplacar o pagamento de lentes de contato que custaram R$ 335.

Surgem também na lista outros beneficiados que ocupam ou já ocuparam postos de destaque na Casa. É o caso do líder do PSDB, Aloysio Nunes Ferreira (SP), e do ex-líder do PT Wellington Dias (PI).

Em uma nota apresentada pelo tucano em março de 2013, em que ele e a mulher, Gisele Nunes, constam como pacientes, há o pedido de ressarcimento de R$ 600 para tratamento estético, não especificado. Segundo o senador, foi retirada “uma verruga cancerígena”. “Faço periodicamente uma revisão para tirar algumas pequenas imperfeições que podem virar complicações maiores. E foi lançado errado porque é uma prevenção”.

No caso do petista, o valor foi de R$ 68,70, para despesas com frigobar realizados pela mulher, Rejane Dias, durante uma internação. A assessoria do senador não respondeu à reportagem.

Há casos em que senadores deixam de enviar as notas fiscais, mas o pedido de reembolso costuma ser negado.

Fonte:Estadão

Compartilhar:
    Publicidade