Senador José Agripino convoca partidos para debater CPI da Petrobras

O senador potiguar relatou ainda que, em visita a diversas cidades brasileiras, tem sido abordado por pessoas que cobram do Legislativo uma postura rígida diante do prejuízo bilionário da Petrobrás

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O líder do Democratas no Senado, José Agripino (RN), convocou todos os partidos – e não somente os de oposição –  a participar de uma reunião nesta terça-feira (25), às 15h, para debater a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar os recentes escândalos envolvendo a Petrobrás. “O caso da Petrobrás está muito mal explicado, por isso haverá essa reunião aberta aos partidos que querem discutir uma investigação sobre mais esse escândalo do governo do PT”, disse Agripino.

Segundo o senador, a CPI é, por enquanto, o único caminho para investigar a compra por quase US$ 2 bilhões, pela Petrobrás – e com o consentimento da presidente Dilma Rousseff -, de uma refinaria em Pasadena, Texas (EUA). Em 2006, a estatal brasileira pagou US$ 360 milhões por 50% da refinaria, valor muito superior ao pago um ano antes pela belga Astra Oil pela refinaria inteira: US$ 42,5 milhões. “O povo brasileiro está se sentindo enganado. É nosso dever fazer a devida investigação baseada nos fatos que estão postos”, afirmou Agripino que reconhece as dificuldades da oposição para conseguir o número necessário de assinaturas para instalar a CPI. “Entre você fazer o que o povo pede nas ruas e o que é possível dentro do Congresso há uma distância, mas a oposição não vai desistir de cumprir o seu papel de investigar”, frisou.

O senador potiguar relatou ainda que, em visita a diversas cidades brasileiras, tem sido abordado por pessoas que cobram do Legislativo uma postura rígida diante do prejuízo bilionário da Petrobrás. “As pessoas vêm até mim e exigem uma tomada de providência de nós, parlamentares, que representamos o povo brasileiro. A Petrobras, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica são bens do Brasil, são patrimônio público, que não podem ser dilapidados”.

Compartilhar:
    Publicidade