Senador José Agripino está tenso para reunião que ocorrerá nesta segunda

Diante da ameaça de sofrer retaliação do grupo da governadora Rosalba Ciarlini, que quer, a todo custo, a candidatura à reeleição da gestora, Agripino tem passado por momentos intensos de apreensão

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Alex Viana

Repórter de Política

Mesmo tendo a seu favor argumentos racionais, de ordem política, jurídica e eleitoral, o presidente do DEM, senador José Agripino Maia, tem revelado irritação nas últimas horas em decorrência da reunião do Diretório Estadual do DEM no Rio Grande do Norte agendada para as 9h desta segunda-feira, na sede do partido Democratas. Na oportunidade, os membros do comando do partido irão escolher entre a candidatura ao governo e ao Senado numa chapa puro-sangue, com a atual governadora Rosalba Ciarlini (DEM) disputando a reeleição e o ex-secretário de Recursos Hídricos, Leonardo Rego (DEM), concorrendo ao Senado, numa aliança com o PP do deputado federal Betinho Rosado e o PSDC do ex-coordenador do Procon Araken Farias, ou, então, a desistência da candidatura de Rosalba, com a consequente aliança para a disputa proporcional (candidaturas a deputado federal e a deputado estadual) com os partidos que apoiam a candidatura do atual presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB), a governador do Estado, e da vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), ao Senado Federal.

Diante da ameaça de sofrer retaliação do grupo da governadora Rosalba Ciarlini, que quer, a todo custo, a candidatura à reeleição da gestora, Agripino tem passado por momentos intensos de apreensão, segundo informam aliados políticos do ex-governador do Rio Grande do Norte e senador no quarto mandato. Presidente nacional do DEM, José Agripino enxerga a candidatura de Rosalba como de alto risco para o futuro da legenda, no Rio Grande do Norte e, com efeito, também no Brasil. Primeiro pela pouca chance de obter êxito, o que, em acontecendo, poria em risco não apenas a perda do mandato de governador do RN, hoje com o DEM, mas, sobretudo, a diminuição da bancada de deputados estaduais na Assembleia Legislativa – atualmente são três – e, principalmente, o fim da representação do DEM na Câmara Federal, com a não reeleição de Felipe – vale lembrar que o DEM potiguar tinha dois deputados federais, mas Betinho Rosado saiu do partido alegando justa causa.

Não tem sido fácil para Agripino lidar com a situação. Aliada política e amigos há mais de quatro décadas, Rosalba e o marido, Carlos Augusto Rosado, consideram-se credores de um gesto de grandeza política de Agripino, porque, quando o senador assumiu a presidência nacional do DEM, coincidiu com o convite que o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab fez para que Rosalba ingressasse no PSD e assumisse a presidência do partido no RN, a exemplo do que fez com Raimundo Colombo em Santa Catarina – ele era do DEM, e foi para o PSD. Se tivesse aceitado o convite de Kassab, Rosalba passaria a ser de um partido aliado da presidente Dilma Rousseff e teria, portanto, evitado ter de contar com intermediários como Henrique Alves, João Maia e mesmo Garibaldi Filho para ter acesso ao governo. No entanto, Carlos Augusto e Rosalba tiveram um gesto de grandeza. Carlos teria dito: “Eu não vou trocar minha amizade com Zé Agripino de quarenta anos para assumir outro partido. Deixe-nos no DEM mesmo”.

O fato de Rosalba “ter comido o pão que o diabo amassou”, como membro do Democratas, entretanto, não impediu que houvesse incompreensões dos aliados – o próprio Agripino não teria entendido as dificuldades do governo, se afastando da gestão. O tempo passou, Rosalba fez um governo com deficiências, mas chega à hora da reeleição sem que haja um impedimento definitivo para que ela concorra. É neste momento que surge, para além do isolamento político dela, a possibilidade de um acordo com o PMDB e outros partido em que o DEM, traduzido na figura dos seus quatro deputados, tem a chance de garantir essas reeleições, em troca do favor de apoiar a chapa Henrique/Wilma. E é neste contexto que se desenrola a reunião desta segunda-feira.

Procurado para dar entrevista ao Jornal de Hoje, Agripino tem evitado a imprensa. Afirma que só vai falar depois que acontecer o eoncontro partidário. Em parte, a justificativa para não falar é procedente. Como ele tem maioria no diretório, o senador que evitar ficar parecendo que ele quer dizer que vai ganhar a parada contra Rosalba. A reunião do diretório, agendada para as 9h, será na sede do partido, na avenida Amintas Barros. Esperam-se os integrantes até às 9h30. Em seguid fecham-se as portas. A votação será secreta, por causa do Regimento Interno do DEM. Mas quem quiser abrir o voto, tem liberdade para falar por dois minutos até.

Agripino afirma que, como presidente, a reunião é para ouvir o partido. Um grupo do partido, como dito, defende a aliança proporcional, para viabilizar a reeleição dos deputados federal e estaduais – Felipe Maia, José Adécio, Leonardo Nogueira e Getúlio Rego. Outra vertente deseja a candidatura própria, com chapa puro sangue. Expostas as duas posições, por representantes de cada segmento, vai-se à votação. A ideia é que seja um ato técnico. O diretório estadual é o órgão máximo consultivo do partido, formado por figuras emblemáticas que traduzem a opinião legítima do DEM. Como presidente, Agripino irá ouvir. Ele tem dito que não é ele que quer que Rosalba não seja candidata à reeleição. Ele quer que a legenda decida. É aguardar.
Compartilhar:
    Publicidade