Será?

De vez em quando, Senhor Redator, Carlos Heitor Cony reclama da frustração que é morrer sem saber onde estariam os…

De vez em quando, Senhor Redator, Carlos Heitor Cony reclama da frustração que é morrer sem saber onde estariam os ossos de Dana de Teffé, crime que abalou o Brasil. E esta semana a nossa Joyce Pascowich abriu a gaveta das velhas histórias policiais só para contar na sua revista Poder a história do Crime de Sacopã. Não vivi esse tempo tão intensamente, mas lembro das matérias nas páginas ferventes de O Cruzeiro com mistérios que resistem ainda hoje, entre grandes suspeitos, culpados e inocentes.

No meu caso, talvez por ser vivente de um tempo dito midiático, a frustração é outra: nunca ter a certeza do Monstro do Lago Ness. É bom, pelo prazer do mistério. E é ruim, pois as coisas eternamente misteriosas de alguma forma incomodam. Como a silhueta aterradora daquele bicho nas águas escuras de um lago gelado e sombrio. Se fosse na imensidão do mar, Senhor Redator, nem tanto. Um monstro, assombroso, é sempre muito pequeno para um oceano, pacífico ou não, nas suas imensidões atlânticas.

Pois bem, já não tenho esperança de conhecer o monstro do Lago Ness que até hoje vive sem nome. Estranhíssimo, filho de um mistério. Tudo que se tem é a silhueta de uma única fotografia: o pescoço longo e arqueado, a cabeça pendida a espreitar o mundo. Agora, como se não bastasse, chega a notícia que uma criatura tão misteriosa quanto o monstro do lago foi vista e fotografada pelas câmeras do satélite Apple nadando tranquilamente no litoral de Dores, nas águas frias e silenciosas da Escóssia.

Ora, Senhor Redator, e há comunicação entre o Lago Ness e o mar de Dores? Ou o monstro saiu de lá num salto, e sendo capaz de tudo, foi das águas doces para as salgadas? Na notícia do Daily Mail as fotos realmente foram feitas há seis meses, mas mantidas em sigilo. Agora foram divulgadas. Uma nova silhueta misteriosa, e só. Pelos cálculos do satélite deve ter quinze metros, mais ou menos metade de uma baleia azul, informa. Os fãs do Lago Ness estão animados. Pode ser ele que agora vive no mar.

A Escóssia é uma terra de muitas lendas e superstições, como se sabe. Por isso a informação de que o Monstro do Lago Ness, desaparecido há dezoito meses, pode ter dado o ar de sua graça nadando no mar. Será? Há divergências. Uns acham que é só a imagem de um barco distorcida pela distância ou mesmo, quem sabe, de um submarino que pode ter emergido de repente em pleno mar. E um submarino não deixa de ter um jeito esquisito, meio monstruoso, capaz de viver horas e horas debaixo das águas.

Desde o século VI, nas terras escoceses, corre a notícia de que um monge de nome São Columba teria testemunhado o enterro de um homem atacado por um monstro marinho. Em 1934, Robert Kenneth Wilson tirou aquela foto que ficou famosa do Monstro do Lago Ness, mas logo depois foi desmentida. Sua autenticidade era falsa: foi feita com um brinquedo, como se fosse algo extraordinário. Uma pena. É sempre muito triste quando uma lenda morre. É como se a vida perdesse um pouco do encantamento.

FEIO – I

A ex-governadora Wilma de Faria não assumiu a Prefeitura, como vice, nem assinou ato oficial, mas ter sumido, e tratou a cidade que governou três vezes com desatenção. O chapão mudou o estilo wilmista.

ANTES – II

Noutros tempos, se um prefeito deixasse o posto em Natal sem antes prestar esclarecimento ao seu povo a guerreira seria sua maior defensora. Tudo tem um rito. Ela não precisava assumir. E nem desaparecer.

ALIÁS – III

O prefeito Carlos Eduardo Alves tem todo direito de ir e vir, mas conquistaria mais rápido, mais fácil e mais barato esse o vôo se tivesse convidado o empresário espanhol a vir conhecer as belezas de Natal.

ENGASGO

A concorrência da verba de publicidade da Prefeitura engasgou por falta de observância e cumprimento de requisitos os mais banais. E a área jurídica ainda não entrou. Quando entrar será muito mais difícil.

ALIÁS

O prefeito Carlos Eduardo Alves deixou de marcar um belo gol quando desejou reservar parte da verba de marketing para campanhas de utilidade pública. A área jurídica mais uma vez acabou complicando.

TAÍ!

Bom exemplo do Tribunal de Contas: revisar e implantar o plano de cargos e salários de uma só vez. Se a gente fizesse assim com todos, sem privilégios, se evitaria greves e paralisação dos serviços públicos.

ÍCONE

Antônio Nahud lança dia 29, terça-feira próxima, no Benditas Buteco, à Rua Monsenhor Severiano 535, Petrópolis, a nova edição da revista Ícone. Uma publicação voltada para o turismo e a cultura no RN.

ABSURDO

A quem interessa interditar o viaduto do Baldo que não ameaça cair, convulsionando mais ainda esta cidade já conflagrada no seu direito de ir e vir? Tem alguma dívida pendente, daí a pressa sem controle?

MEMÓRIAS

Com apresentação de Álvaro Alberto Barreto e Manoel de Brito, o médico e ex-deputado Lauro Bezerra lança hoje, na livraria Saraiva, Midway, 19h, seu livro de memórias – ‘Sic transit… – Edição Caravela.

CAYMMI

O médico João Batista de Lima, nosso Zizinho, quer trazer a Natal Stella Caymmi, neta do compositor e filha de Nana, sua grande biógrafa, para falar nos cem anos de Dorival. A ideia é recebê-la em agosto.

1964 – I

Valério Mesquita, presidente do Instituto Histórico; e Isaura Rosado, secretária da cultura, vão unir seus esforços para que o ex-ministro Almino Afonso venha lançar em Natal seu livro sobre o golpe militar.

RAÍZES – II

Almino tem raízes no Rio Grande do Norte, onde há uma cidade com o nome do seu avô que é também seu nome e mostra ao longo de seiscentas páginas como a queda de Jango, seus heróis e os seus vilões.

ECOLOGIA – I

A edição de abril da Playboy revela que dos patrimônios naturais do Brasil nenhum é mais belo e mais impressionante do que a nudez da ambientalista Ana Paula Maciel. É de desequilibrar a flora e a fauna.

 DETALHE – II

Ana teve sorte ao ser presa como ativista do Greenpeace, lá no mar Báltico. Se aqueles generais russos tivessem visto toda a beleza da sua nudez ariana, autoritários como são, ela jamais teria sido libertada.

Compartilhar: