Servidores da saúde estadual e da UFRN fazem ato unificado nesta segunda

Após o ato, o Sindsaúde e o Sintest farão uma caminhada pelas ruas do Centro de Natal, em defesa da saúde pública e em apoio às greves

A greve dos servidores da saúde iniciou em 19 de março, pelo cumprimento do acordo de 2013, pela redução da sobrecarga de trabalho e do déficit de servidores no estado, entre outros pontos. Foto: Divulgação
A greve dos servidores da saúde iniciou em 19 de março, pelo cumprimento do acordo de 2013, pela redução da sobrecarga de trabalho e do déficit de servidores no estado, entre outros pontos. Foto: Divulgação

Nesta segunda-feira (31), os servidores da saúde do RN e os servidores da UFRN farão um ato unificado, às 08h, no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), em Petrópolis. Eles denunciam o aumento da terceirização na saúde pública e pedem a revogação da lei que criou a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), empresa que assumirá a gestão dos hospitais federais, como o HUOL e as maternidades Januário Cicco e Ana Bezerra. Também criticam o aumento dos gastos com as cooperativas, que subiram 167% durante o governo Rosalba Ciarlini.

Após o ato, o Sindsaúde e o Sintest farão uma caminhada pelas ruas do Centro de Natal, em defesa da saúde pública e em apoio às greves.

A greve dos servidores da saúde iniciou em 19 de março, pelo cumprimento do acordo de 2013, pela redução da sobrecarga de trabalho e do déficit de servidores no estado, entre outros pontos. Os servidores reivindicam a aprovação e sanção do Projeto de Lei enviado nesta sexta-feira (28) pela governadora Rosalba Ciarlini aos deputados estaduais, com a correção da tabela do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR), como acordado durante a greve de 2013.

Já os servidores das UFRN iniciaram o movimento  em 17 de março e a greve já atinge 27 universidades. Os pontos da pauta específica tratam do aprimoramento da carreira com aumento de piso e step, ascensão funcional, turnos contínuos com jornada de 30h sem redução salarial para manter as universidades abertas nos três turnos, cumprimento integral do acordo da greve de 2012 e revogação da lei que criou a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares/EBSERH – com concurso público pelo Regime Jurídico Único (pela aprovação da ADIN).
Compartilhar:
    Publicidade