Sesap define fluxo de atendimentos a pacientes no período da Copa

A preocupação da Sesap se concentra não apenas nos usuários do SUS, mas também nos pacientes de planos e seguros

trhtrhwrtwwwww

Foram definidos quais tipos de pacientes cada hospital irá receber, de acordo com o Protocolo de Risco de Manchester, que denomina, através dos sintomas, a classificação dos doentes por cores, que representam o grau de gravidade e o tempo de espera recomendado para atendimento.  Aos doentes com patologias mais graves é atribuída a cor vermelha (atendimento imediato). Os casos muito urgentes recebem a cor laranja. As situações de urgência recebem a cor amarela. As cores verde e azul são as de menor gravidade.

A definição ocorreu de forma pactuada com representantes de hospitais públicos e privados, durante uma reunião na última quinta-feira (13), com a participação de representantes da Coordenadoria de Hospitais de Unidades de Referência (Cohur) da Sesap, das Vigilâncias Epidemiológica, Sanitária e Ambiental da Sesap, além da Coordenação das Unidades Básicas de Saúde do município de Natal.

A coordenadora das Ações em Saúde para a Copa, Walkíria Nóbrega, destaca a importância da parceria com os hospitais privados, que irão receber usuários de planos privados e turistas que contratarão os seguros de saúde. ”A preocupação da Sesap se concentra não apenas nos usuários do SUS, mas também nos pacientes de planos e seguros, considerando que os hospitais privados não têm capacidade para realizar os primeiros atendimentos aos pacientes politraumatizados”.

Ela lembra que o trabalho de preparação para a Copa promove uma interação que ficará como legado da Copa. “É um momento histórico na área da saúde, pois em nenhum outro momento reunimos hospitais públicos e privados para pactuar sobre fluxos de atendimentos, e esses vínculos poderão render futuras parcerias além do período da Copa”. Também foi destacada a aproximação das Vigilâncias com os hospitais privados, muito importante no momento em que a cidade receberá turistas que poderão desenvolver doenças endêmicas de outros países.  “Os discursos estão bem afinados e os hospitais entenderam a importância do contato frequente com a vigilância epidemiológica no sentido de notificação dos agravos”.

Dentro da preparação para a Copa 2014 os hospitais deverão concluir os planos de contingência até o dia 27 de março, quando será feito pela Sesap um compilado geral dos planos operativos.  Também está prevista para acontecer em Natal, no período de 24 a 28 de março, uma capacitação em planos hospitalares, em parceria com o Governo Alemão, promovida pela Coordenação Geral da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (FN-SUS), com objetivo de promover intercâmbio de experiências entre os municípios que sediaram a Copa da Alemanha em 2006 e as cidades-sede brasileiras.

Compartilhar:
    Publicidade