Sesap denunciará ao MPE prejuízos da manifestação do SindSaúde

Protesto do Sindicato impediu o atendimento a cerca de 300 usuários e o abastecimento de medicamentos dos hospitais da rede pública

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O manifesto realizado pelo Sindicato dos Servidores da Saúde do Estado (SindSaúde), nesta quarta-feira (27), na Unidade Central de Agentes Terapêuticos (UNICAT), impediu o atendimento da população e atrasou o abastecimento dos hospitais da região metropolitana. A atitude do Sindicato foi considerada arbitrária, abusiva e irresponsável pela gestão da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) em função dos prejuízos causados à assistência à Saúde dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo dados da Unicat, uma média de 300 usuários que, diariamente vão à unidade em busca de medicamentos especiais, foram prejudicados devido à manifestação ter bloqueado totalmente o acesso. Muitos usuários que vieram do interior do Estado também deixaram de ser atendidos, configurando-se numa completa falta de sensibilidade dos manifestantes. Além dos usuários, uma quantidade incalculável de pacientes, internados na rede hospitalar do Estado, principalmente no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, foram prejudicados no tratamento porque o protesto do SindSaúde impedia a saída do caminhão responsável pelo abastecimento de medicamentos nos hospitais. O fato foi presenciado por servidores e pela imprensa que trabalhava no local.

Para o secretário de Estado de Saúde Pública, Luiz Roberto Fonseca Leite, todas as medidas tomadas pela Sesap, nos últimos meses, como a regulamentação do expediente dos servidores lotados em áreas e setores administrativos da Sesap e a racionalização dos plantões eventuais nas unidades hospitalares, têm o objetivo de defender o interesse coletivo e garantir a assistência à população. Para ele, a melhoria na gestão da Saúde só será alcançada de mãos dadas, sem animosidade e padecimento da daqueles que mais necessitam dos atendimentos.

“A atitude do sindicato registrada nesta manhã foi de uma irresponsabilidade desmedida, tendo em vista que a Unicat lida diretamente com pessoas que estão em tratamento sistemático de saúde, não podendo sofrer interrupção no uso de medicamentos e foi o que houve. A Sesap espera que o SindSaúde adote uma postura sensível e responsável, realizando seus movimentos de modo a evitar um sofrimento maior para a população que depende do SUS”, disse o secretário. A assessoria jurídica da Sesap vai comunicar o fato ao Ministério Público Estadual, que deverá tomar as medidas cabíveis.

Para a diretora da unidade, Alaíde Porpino, o movimento do sindicato causou indignação porque não foi decorrente de nenhum problema pontual da Unicat, mas devido a reformas administrativas da Sesap que determinou o corte de plantões e eventuais, além de alterações na carga horária. “A atitude dos sindicalistas acabou prejudicando toda rotina de trabalho da Unicat e penalizando a população, além dos pacientes que estão em um leito de hospital”, conclui Alaíde.

Para a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), mesmo com as dificuldades financeiras enfrentadas pelo Governo Estadual, a gestão vem concentrando esforços para garantir todos os direitos dos servidores, pois reconhece a extrema importância da força de trabalho da categoria, imprescindível para o funcionamento do Sistema Único de Saúde no Estado.

Desde 2012, o Governo do Estado convocou mais de 2.550 servidores, para trabalharem na Rede Estadual de Saúde e garantiu o pagamento aos servidores de valores acordados em negociações ocorridas no ano passado. Neste período foi creditado os 25% da incorporação da Jornada Especial e GAE (Gratificação de Atividade Estadual), previstos no Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações (PCCR) dos servidores (Lei 333/2006), aos aposentados a equiparação da incorporação dos 22% de aumento nas gratificações, sancionado as Leis que garantem a reformulação das tabelas de vencimentos dos servidores com níveis fundamental, médio e superior e reajustado os vencimentos dos médicos e dentistas com especialidade em cirurgia traumatologia buco-maxilo-facial. Para Secretária as últimas conquistas da categoria são uma demonstração inequívoca do compromisso da atual gestão com a Saúde Pública e com os direitos dos servidores.

 

Compartilhar:
    Publicidade