Sesap tem dívida milionária com Natal referente ao repasse do SUS

Serviços de assistência farmacêutica, UPA e Samu somariam R$ 22 mi

Esse débito se refere a contra partida feita pelo Governo do Estado aos serviços do Samu, UPA e assistência farmacêutica. Foto: Divulgação
Esse débito se refere a contra partida feita pelo Governo do Estado aos serviços do Samu, UPA e assistência farmacêutica. Foto: Divulgação

A Secretaria Estadual de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) possui uma dívida de, aproximadamente, R$ 22 milhões com o município de Natal referente aos repasses para o Sistema Único de Saúde (SUS) pelos serviços de assistência farmacêutica, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A dívida foi apresentada durante uma reunião da Comissão de Saúde, Assistência Social e Defesa do Consumidor da Câmara Municipal de Natal realizada nesta segunda-feira (2). Durante o encontro, os vereadores discutiram a versão atualizada do relatório do 2° quadrimestre de 2013, relativo aos recursos aplicados pelo SUS no âmbito do município de Natal. Representantes da Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS), líderes comunitários e profissionais da saúde, que participaram da reunião, concordaram que é necessário mais investimentos na rede municipal de saúde.

No relatório consta que o município arcou com 63% das despesas com saúde, enquanto 37% das despesas foram liquidadas com recursos do SUS.

Os investimentos foram para serviços de atenção básica, suporte profilático e terapêutico, vigilância sanitária e epidemiológica, alimentação e nutrição, assistência hospitalar e ambulatorial. Outro dado apresentado durante a reunião mostra que 60% da demanda pelos serviços de saúde da capital potiguar advêm das cidades do interior.

“Temos um grande número de pessoas de outras cidades e estados que é atendida pelas unidades de saúde de Natal. Fato que dificulta um equilíbrio, mas que precisamos equacionar com o SUS”, avaliou o secretário de Saúde de Natal, Cipriano Maia. “Isso explica as crises que enfrentamos com nossos fornecedores privados, pois há esse descompasso, além da participação muito alta de recursos próprios do município”.

Para o vereador Fernando Lucena (PT), presidente da Comissão de Saúde, o Governo do Estado está em falta com a capital potiguar. “Recursos existem, mas não chegam porque o Estado não vem cumprindo com seus compromissos”, afirmou. Segundo ele, o município tem direito de receber investimentos estaduais para aplicá-los em serviços importantes como Unidade de Pronto Atendimento e SAMU.

A coordenadora de Planejamento e Controle dos Serviços em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde Pública, Terezinha Rego, confirmou que realmente existe a dívida, mas não soube precisar o valor atualizado, haja vista que este valor é oscilante. Esse débito se refere a contra partida feita pelo Governo do Estado aos serviços do Samu, UPA e assistência farmacêutica.

Compartilhar:
    • HERY

      ATÉ QUE ENFIM FERNANDO LUCENA FEZ ALGUMA COISA,ELE QUE SÓ DIFICULTA E DESMERECE ESSA ADMINISTRAÇÃO.