Seturn ainda não tem data para encerrar o serviço de circular da UFRN

Atualmente, são sete veículos carregando 12 mil pessoas durante o dia inteiro

Onibus-Circular-do-Campus-Universitario---UFRN-HD

Marcelo Lima

Repórter

O anúncio de que as empresas de ônibus de Natal poderiam deixar oferecer o serviço de circular no Campus Central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) deixou as cerca de 12 mil pessoas utilizam o serviço em suspense. Até agora ainda não houver nenhuma definição sobre o caso.

Nem os representantes do Sindicato de Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Natal (Seturn), nem dos estudantes tiveram definições da Prefeitura, muito menos participaram de reuniões recentemente. O consultor técnico do Seturn, Nilson Queiroga, disse que não há data para o abandono da prestação desse serviço. “Em nenhum momento o sindicato estabeleceu uma data, tampouco tomou uma posição extremada”.

Ainda segundo ele, o que houve foi uma sugestão do Seturn diante da crise e do “desequilíbrio financeiro” do sistema. “O Seturn apenas sugeriu que os alternativos operassem essas linhas, já que são linhas complementares e se adequam melhor ao perfil do transporte alternativo”, acrescentou.

Queiroga disse inclusive que a sugestão do sindicato é que os sete ônibus que fazem a linha circular sejam substituídos pelo dobro de alternativos, uma vez que são veículos menores que os ônibus. “Isso vai aumentar a frota e a freqüência também vai melhorar”, destacou. Ele destaca que desde janeiro de 2011 não há reajuste da tarifa de ônibus, nem incentivo fiscais por parte da Prefeitura e governo do Estado para amenizar os impactos.

UFRN e Estudantes

Na quinta-feira passada, a reitora da UFRN, Ângela Paiva Cruz, reuniu-se com o Prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, para pedir a manutenção e o aumento da frota dos circulares no campus central. Atualmente, são sete veículos carregando 12 mil pessoas durante o dia inteiro. A reitora solicitou o acréscimo de mais um veículo que fora acordado no passado, mas nunca cumprido.

Mas na visão dos estudantes que são “enlatados” nos circulares, a questão é muito mais ampla. “Foram retiradas várias linhas que entravam no campus e o serviço do circular foi se precarizando”, analisou Gabriel Medeiros, primeiro coordenador-geral do Diretório Central do Estudantes (DCE) da UFRN.

Exemplos disso são as linhas 03 e 45, operadas pela falida empresa Rio-Grandense. A linha 03 trazia estudantes da zona Norte e a 45 trazia da Zona Leste. Com o fim da empresa e a extinção das linhas, os estudantes pegam ônibus até o Via Direta e depois o circular para entrar no campus.

Uma manifestação está marcada para a quinta-feira, 24 de abril, às 18h, na parada do circular vizinha ao Via Direta. A convocação feita pelo facebook tem o título de “Mais Circular, Fora Seturn”.

Compartilhar:
    Publicidade