Sheilla concorda com medidas do COI: Brasil enrola demais

A atleta se mostrou preocupada e acredita que o COI poderia ter tomado providências até antes

images

O anúncio de que o Comitê Olímpico Internacional (COI) acompanhará mais de perto as obras no Rio de Janeiro foi bem visto por uma das principais atletas olímpicas do País, a jogadora de vôlei Sheilla. A atleta se mostrou preocupada com os boatos sobre a possível mudança de sede e acredita que o COI poderia ter tomado providências até antes.

“Acho que foi feito tarde. Há boatos até de mudarem do Rio de Janeiro a sede… O Brasil está muito atrás nisso, enrola demais e faz de menos. Mas espero que a gente consiga fazer essa Olímpiada no Brasil, como está previsto, e que seja bonita”, afirmou a atleta, depois de participação em evento na capital paulista.

O COI nega que seja uma intervenção no Rio, mas enviou à cidade um executivo para observar o andamento das obras, formará grupos de trabalho para analisar o cronograma e ainda planeja contratar uma consultoria independente para seguir a evolução das reformas. As medidas foram tomadas em consequência da preocupação de federações internacionais com os atrasos nos prazos.

Além de Sheilla, o evento em São Paulo contou também com a presença de um ex-atleta olímpico, Gustavo Borges, que espera uma sintonia entre os organizadores para que tudo transcorra bem nos Jogos de 2016.

“Eles têm os cronogramas e as requisições do COI, que tem muita experiência nisso, pois faz a cada quatro anos. É importante estarem bem combinados com o Comitê Organizador, para que as obras sejam realizadas. Tem que ter uma cooperação muito grande. Acho que isso é bom, temos dois anos e três meses para as Olimpíadas e é pouco tempo. Vemos estádios da Copa com dificuldade, mas será uma Olimpíada bonita e esperamos que o cronograma avence nos próximos meses”, encerrou.

 

Fonte: Terra

Compartilhar: