Shoppings perderão 11 dias de vendas durante Copa do Mundo

Setor será prejudicado por feriados durante o torneio e por possíveis manifestações, diz Alshop

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Se para alguns segmentos da economia a Copa do Mundo é uma das grandes apostas do ano, para quem atua no setor de shopping centers o evento é esperado com preocupação. Nesta quarta-feira, a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) revelou que o Mundial pode fazer com que o varejo perca ao menos 11 dias de faturamento. Nas cidades em que forem decretados feriados nos dias de jogos, os centros comerciais abrirão por menos tempo (apenas seis horas) e funcionários devem ter folga.

“Em dias de jogos as pessoas tendem a comprar menos e, notadamente, apenas alguns setores do varejo têm sido beneficiados pela Copa”, disse o presidente da entidade, Nabil Sahyoun. As companhias também estão se preparando para lidar com possíveis riscos à segurança em razão de manifestações.

No ano passado, o segmento já não cresceu como o esperado. Dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) mostram que, em 2013, as vendas no setor registraram a menor expansão desde 2007. As lojas nos shoppings movimentaram R$ 129,2 bilhões no ano passado – 8,6% mais que em 2012. Houve crescimento, mas a estimativa inicial era de que ele iria beirar os 12%.

A perspectiva para expansão de vendas dos lojistas em 2014 também é pouco animadora. Nabil Sahyoun afirmou que a alta de vendas este ano será “vegetativa”. Para ele, o crescimento se dará nem tanto por evolução do consumo, mas apenas porque a quantidade de shoppings vai aumentar. Em dezembro, a entidade projetou que as vendas reais neste ano cresceriam 3% ante 2013.

O desempenho de vendas em janeiro e fevereiro, porém, ficou acima da média esperada para o ano. Houve alta de 6,2% em janeiro ante o mesmo mês do ano anterior e, em fevereiro, o crescimento foi de 7,5% na mesma comparação. Sahyoun avalia, porém, que os números parecem altos porque a base de comparação em 2013 era fraca.

Vendas acanhadas

A Alshop estima que o crescimento de vendas já em março deve ser mais “acanhado”. Os dados do terceiro mês do ano ainda não foram contabilizados, mas a entidade informou que acredita em alta de vendas entre 3,5% e 4% na comparação com o mesmo mês de 2013. O desempenho do mês de março foi prejudicado pelo fato de que o carnaval foi mais tarde neste ano.

Na avaliação do presidente da Alshop, a perspectiva é de que o crescimento em março seja provocado sobretudo pela inauguração de 38 novos shoppings. “Não é um crescimento representativo, é vegetativo em razão dessas inaugurações”, reforçou.

A associação espera que 35 novos centros de compras entrem em operação no Brasil ao longo de 2014. Do total, 29 já têm data de inauguração, a maior parte no segundo semestre e 12 deles estão em São Paulo (tanto na capital quanto no interior). O número de novos shoppings esperados pela entidade é levemente menor do que os 38 inaugurados em 2013.

Segundo o censo de shoppings realizado pela Associação e pelo Ibope, hoje o Brasil tem 153 empreendimentos em obras, mas apenas uma fatia com inauguração prevista ainda para 2014. Do total em obras, cerca de 53% estão sendo construídos na região Sudeste.

Interior

Hoje, existem 497 shoppings em funcionamento no País. Em 2010, eram 408. A previsão é de que, ao fim deste ano, o número de empreendimentos desse tipo seja maior em cidades do interior do que em capitais, onde a densidade urbana tem restringindo cada vez mais o lançamento de novos shoppings.

Ao fim de 2013, segundo a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), o País tinha 239 centros comerciais no interior e 258 em capitais.

Fonte: Estadão

Compartilhar: