Show dos Rolling Stones no Rock in Rio Lisboa terá Bruce Springsteen

Portugueses esqueceram o frio e pularam como pipoca durante a apresentação da veterana banda inglesa

PORTUGAL-MUSIC-ROCK-IN-RIO-ROLLING-STONES-SPRINGSTEEN-G4K1MDKF9.1

Pouco importou que a temperatura fosse caindo gradativamente até chegar a uma sensação de 12 graus Celsius, fria até para a primavera em Lisboa, cidade que em pouco mais de três semanas receberá o verão: Mick Jagger, Keith Richards, Ronnie Wood e Charlie Watts, aos poucos, foram encantando os portugueses, que chegaram ao fim de duas horas de show pulando como crianças (e a média de idade do público não era baixa), mesmo sendo cerca de 2h da madrugada de uma sexta-feira. Com um som impecável, um repertório com poucos riscos e a habitual competência sobre o palco, os Rolling Stones mostraram que, em matéria de rock’n’roll, nada devem a artistas com metade ou mesmo um terço de sua idade.

O segundo fim de semana do Rock in Rio Lisboa, que comemora 10 anos em 2014, começou com o tempo nublado e a temperatura agradável, que caiu à noite, com chuvas eventuais. O cantor e guitarrista português Ruy Veloso abriu o Palco Mundo, ainda à tarde, em show com a participação de Lenine e da cantora beninense Angélique Kidjo. Em seguida veio a principal banda portuguesa de rock, os Xutos e Pontapés, que celebraram seus 35 anos de carreira com sucessos como “Maria” e “À minha maneira”. Atração escolhida pelos Stones, o cantor de blues Gary Clark Jr. veio em seguida, mostrou destreza com a guitarra e foi bem recebido pelo público.

Já era quase meia-noite quando os Rolling Stones foram anunciados, para alegria e alívio do público de 90 mil pessoas que os aguardava. Logo se percebeu que guitarras, baixo (a cargo de Darryl Jones desde 1993) e bateria eram audíveis com clareza e volume perfeitos. De jaqueta prateada, o cantor Mick Jagger fazia seus movimentos e caretas habituais, ao som de “Jumpin’ jack flash” e “It’s only rock’nroll (but I like it)”, que abriram o show, e às quais se seguiu “Live with me”, o primeiro lado B da noite.

Logo na quarta música veio a surpresa. Rolavam boatos, mas ninguém confirmava quem seria o convidado especial da apresentação. Falava-se que Bruce Springsteen veria o show da mesa de som, mas o público foi pego de surpresa pelo chamado de Mick Jagger ainda no início do show, quando o Boss e sua guitarra Fender Telecaster entraram para tocar “Tumbling dice”. O público, que apesar de animado não participava muito do show, começou a se soltar com a presença de Bruce e o óbvio divertimento do sessentão americano com os setentões ingleses (à exceção do caçula Wood, 66).

Bastou para Jagger gastar mais seu português (talvez aprendido com o filho brasileiro Lucas, de 15 anos, fruto de um romance com a apresentadora Luciana Gimenez), com forçado sotaque lusitano:

— Portugal vai ganhar a Copa do Mundo. Vai jogar a final com a Inglaterra. Now that would be something —- disse ele para a alegria do público, completando a frase em inglês.

Com o som tecnicamente perfeito (e de difícil equalização, por causa da banda grande, com seis músicos além dos cinco citados), bastou um repertório de sucessos para deixar o público na mão e progressivamente mais animado: a balada “Wild horses”, “Honky tonk women” (acompanhada por uma animação picante no telão) se revezavam com poucas músicas menos conhecidas, como “Respectable”, que teve a participação de Gary Clark Jr., e as duas cantadas por Richards (que repetiu a velha piada do “É bom estar aqui. É bom estar em qualquer lugar”), “You got the silver” e “Can’t be seen”. Membro da banda entre 1969 e 1974, Mick Taylor já faz uma participação tão sabida que nem é anunciado: o gordinho se juntou a Wood e Richards num trio de guitarras em “Midnight rambler”. Para fechar, uma sequência arrasadora, com “Miss you”, “Gimme shelter”, “Start me up”, “Sympathy for the devil” e “Brown sugar”.

A sensação era de 12 graus, mas o público já pulava ferozmente. Com o bis de “You can’t always get what you want”, acompanhada por um coro lírico, e “Satisfaction”, teve gente até tirando a camisa.

Ruy Veloso abriu o Palco Mundo

O segundo fim de semana do festival começou com o tempo nublado e a temperatura agradável, que caiu à noite, com chuvas eventuais. O cantor e guitarrista português Ruy Veloso abriu o Palco Mundo, ainda à tarde, em show com a participação de Lenine e da cantora beninense Angélique Kidjo. Em seguida veio a principal banda portuguesa de rock, os Xutos e Pontapés, que celebraram seus 35 anos de carreira com sucessos como “Maria” e “À minha maneira”. Abração escolhida pelos Stones, o cantor de bules Gary Clark Jr. foi bem recebido pelo público.

 

 

Fonte: O Globo

Compartilhar: