Simone Dutra: “PMDB é responsável pelos problemas sociais do RN”

Sindicalista pré-candidata ao Governo pelo PSTU critica adversários

TYJ67U56

Alex Viana

Repórter de Política

Na visão da sindicalista Simone Dutra, pré-candidata do PSTU a governadora do Rio Grande do Norte, o PMDB, partido presidido pelo atual presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB), é corresponsável pelas misérias do estado. Em entrevista ao Jornal de Hoje, Simone lembra que a legenda peemedebista sempre participou dos governos, integrando a elite do estado que, na percepção dela, não prioriza as necessidades da população. As críticas da sindicalista atingem duramente o partido que pretende lançar a candidatura do deputado federal Henrique Alves a governador, nas eleições 2014.

“Em relação ao PMDB, nós temos os velhos donos dos principais meios de comunicação, empresários, ricos, que têm as suas legendas e que estão coligados e que estão fazendo um revezamento nesse momento. Quantas associações já foram feitas?”, questiona Simone Dutra, afirmando que dois ex-governadores, sendo eles o atual ministro da Previdência, Garibaldi Filho (PMDB), e a atual vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), foram adversários entre si e hoje estão juntos, para se revezarem no poder.

“Quando Garibaldi perdeu as eleições da última vez, foi Wilma quem ganhou; Wilma agora está com o PMDB (de Garibaldi)”, aponta a pré-candidata, também criticando o vice-governador Robinson Faria, presidente e pré-candidato do PSD ao governo do Estado, que, segundo Dutra, “rompeu com a Wilma lá ainda há quatro anos, para apoiar e alavancar a candidatura de Rosalba”, recordou.

VOO DA FAB

Na visão da sindicalista, o que há, no chamado acordão entre Alves e Maias, “é uma busca pelo poder para ver quem vai gerenciar, quem vai ter mais poder, quem vai estar mais próximo dos recursos públicos e que vai ter o poder de barganhar os privilégios”. “Ano passado”, relembrou ela, “enquanto a população estava nas ruas dizendo que não aceitava mais a saúde, a educação do jeito que estava, Henrique estava pegando carona no jato da FAB para assistir ao jogo da seleção na Copa das Confederações”, disse.

Ainda conforme a avaliação da sindicalista, o PMDB, direta ou indiretamente, “sempre esteve no poder e é corresponsável por todos os problemas sociais que nós passamos hoje”. Simone também analisou o chapão, formado por Henrique, Wilma, Garibaldi e que, provavalmente, poderá ter ainda o também ex-governador e atual senador e presidente nacional do DEM, José Agripino Maia. “Esse chapão é uma tentativa de ganhar com pouco esforço, tirando todas as oposições do caminho, e, com certeza, muita negociata está havendo nisso aí”, disse. “Também é um espaço de aglutinação e de chamamento para o financiamento de campanha, que é um aspecto extremamente importante”, frisou.

“Quem manda no RN são os ricos”

Ao criticar as candidaturas tidas por ela como “tradicionais”, a sindicalista Simone Dutra afirma que o Rio Grande do Norte está entregue a uma elite rica que não se preocupa com natureza real da população mais pobre do Estado. De acordo com Dutra, essa elite não precisa de serviço de saúde e de educação públicas, razão por que há serviço de má qualidade no RN.

“Nós entendemos que os governos, durante muitos anos, não priorizam as necessidades da população, do povo pobre desse estado. Quem manda nesse estado são os ricos, que têm as suas siglas, os seus partidos, são as elites, que quando vão se tratar de doenças não ficam aqui, não vão para o Walfredo Gurgel, não vão para o Santa Catarina, não vão para o posto de saúde, vão para São Paulo, para o Sírio Libanês, até para fora do país”, aponta. “Essas pessoas que não têm a necessidade de colocar um filho em uma escola públicas, essas pessoas são quem dirigem esse estado, e elas não dirigem esse estado para a maioria da população, que trabalha, que contribui”.

A filosofia do PSTU, segundo Simone Dutra, difere da engendrada pelos partidos tradicionais. Em sua visão, dinheiro público é para o povo. “Os recursos do estado, que são frutos da arrecadação dos altos impostos que pagamos, eles devem estar à disposição das necessidades da população. Então, a prioridade é investir na educação, investir na saúde, reverter esse sub-financiamento que há”, afirmou, ao abordar uma das suas promessas de campanha.

FINANÇAS

Simone discorda da tese de que o Estado está, financeiramente, falido. Em sua avaliação, o RN arrecada cada vez mais através de impostos, mas não consegue impor uma contrapartida em melhorias nos serviços. “É mentira dizer que não tem recursos nesse estado. O estado é um dos que mais arrecadam com ICMS no país todo, proporcionalmente à população. Mas o que a gente vê é uma falta de investimentos, a negativa para resolver os problemas mais elementares da população”, diz.

Na análise de Dutra, apesar de o RN ser o terceiro estado mais desigual socialmente no país, o estado vem tendo um crescimento acima, inclusive, da média nacional. “Não é possível que a gente veja o caos na segurança pública. É estarrecedor que a gente saiba que 40 corpos apodreceram no ITEP ao relento por falta de condições. É estarrecedor você ouvir um policial dizer que só pode abastecer uma viatura duas vezes por semana, porque tem um limite, uma cota de combustível. Então para quem é que esses governos estão administrando? Não é para a população”, continua a pré-candidata ao PSTU, disse.

“Chapão de Henrique terá 20 minutos por dia para enganar as pessoas”

Sobre a campanha do PSTU ao governo, Simone afirma que vai tentar ocupar o reduzido espaço que terá na propaganda eleitoral – menos de um minuto – para tentar passar a mensagem do partido. Ela critica a desigualdade no horário eleitoral gratuito, e diz que o chapão de Henrique e Wilma terá “vinte minutos para continuar enganando as pessoas”

“Nós achamos que há uma desigualdade muito grande, o que demonstra que não há uma democracia no debate eleitoral, porque nós vamos ter menos de um minuto na TV, enquanto que os que mandam nesse estado há muitos anos, como o PMDB, como o DEM, como o PSB, como o PDT e tantos outros que estão no chapão, esses vão ter vinte minutos na TV, vinte minutos para continuar enganando as pessoas”, afirma.

Simone diz que utilizará o espaço no horário eleitoral para “dizer quais são as saídas do PSTU para os problemas crônicos que existem hoje, de falta de assistência, de falta de prioridades para a população e vamos fazer isso nos bairros, debatendo nas categorias. Vamos estar com o pé no chão, andando nos bairros, fazendo o nosso debate de forma mais ampla”.

Quanto às candidaturas do PSTU, Simone lembra que serão lançados Dário Barbosa como candidato a deputado estadual, além de outras candidaturas, como a professora Ana Célia, possivelmente candidata a senadora. “Todas as candidaturas estão à disposição de estar fazendo um debate no nosso programa, discutindo as questões importantes para a população e vamos ser uma alternativa sim, para ocupar espaço dentro da Assembleia Legislativa, do Congresso Nacional, para colocar o debate prioritário, aquele que serve as necessidades da população”.

Compartilhar: