Simpósio realizado em Natal traz técnica inovadora para tratamento da depressão

O Simpósio conta com a presença do especialista em neurologia e membro da Academia Brasileira de Neurologia, professor Daniel Ciampi

Simposio-do-Cerebro-e-Mente-do-RN--JA

A capital potiguar sedia neste sábado (26) e domingo (27), o I Simpósio do Cérebro e Mente do RN, evento que acontece no Imirá Plaza Hotel e é promovido por estudantes do 5° período de Medicina da Universidade Potiguar (UnP), em parceria com a Liga de Dor e Sociedade Norte Riograndense para o Estudo da Dor.

O Simpósio conta com a presença do especialista em neurologia e membro da Academia Brasileira de Neurologia, professor Daniel Ciampi, que fará uma apresentação sobre o tema: “Estimulação magnética cerebral no controle da dor e da depressão”, onde ele relata como funciona essa técnica inovadora, suas aplicações na área da saúde e aborda questões relativas à dor.

Daniel explica que a estimulação magnética transcrâniana é uma modalidade de neuroestimulação superficial e focal, sendo o córtex frontal o principal alvo quando usada para o tratamento da depressão. “A grande vantagem em relação a outras técnicas de estimulação cerebral é o fato de ser uma terapia focal, não invasiva e praticamente indolor (embora alguns pacientes possam sentir um pouco de desconforto). Além disso, apresenta baixo índice de reações adversas” afirmou.

Ele diz que a relação entre dor e mente é mantida por uma linha tênue, diferente para cada pessoa. “O que chamamos de mente vai além do cérebro, que é a estrutura física. Relacionamos a dor a uma percepção discriminativa de coisas que nos acontece no dia a dia, como uma picada no dedo, mas a dor é muito mais do que isso. A experiência de dor inclui nossa emoção, humor e comportamento, o que relaciona a mente” explicou.

A intensidade da dor tem variabilidade de pessoa para pessoa e suas experiências de dor, o que é diferenciado até entre os sexos. “Vários estudos mostram que as mulheres são discretamente mais sensíveis para a dor, mas é uma coisa muito leve em comparação ao homem” disse Daniel.

Além de ter indicação para o tratamento da depressão, a estimulação magnética transcraniana também foi aprovada no Brasil para aplicação em alucinações auditivas decorrentes da esquizofrenia. “Nesse caso, a carga magnética estimula a região temporal para reduzir a hiperatividade naquela região, uma consequência da esquizofrenia” explica o especialista.

A médica e professora da UFRN, Bernadete Cordeiro, também participou do evento, onde relatou os avanços nas pesquisas na área de neuroendocrinologia no Estado. Ela fala que a iniciativa é importância por seu caráter de difusor de informações. “O evento é um encontro importante de convergência e troca de informações, onde a comunidade do estado tem a oportunidade de troca experiências e informações, porque é circulando conhecimento que podemos aperfeiçoar os processos de formação profissional, de modo quem se beneficia é a população, já que atuamos na área da saúde” disse

O estudante de medicina, André Emídio, enfatiza que o evento traz uma abordagem multiprofissional sobre a área. “A iniciativa é pioneira e abrange todos os cursos da área da saúde, que abordem o tema: mente e cérebro. Contribuindo da integração acadêmica de estudantes. O tema tem bastante relevância para a comunidade médica e científica” destacou.

Compartilhar:
    • Cinara

      Parabéns ao Simpósio, foi excelente. Adorei!

    • Renata

      Sou acadêmica de Medicina e vim de João Pessoa para esse evento que foi muito bem divulgado. Supriu muito minhas expectativas. Muito bem organizado e muito enriquecedor. Em resumo: eu nuca vi um evento organizado por acadêmicos tão perfeito. Parabéns a turma de medicina da UnP.

    • André Emídio Carvalho Moreno

      É com grande satisfação e orgulho que agradecemos a todos os acadêmicos, profissionais e palestrantes que vieram participar desse tão agradável evento os quais lotaram o espaço de convenções do Hotel Imirá Plaza (mais de 400 participantes) e certamente saíram de lá com um pouco mais de conhecimento.

      É sabido que conseguimos fazer a integração acadêmica que desejávamos. Trabalhamos em todas as mesas de discussões com uma equipe completa multiprofissional de praticamente todas as áreas da saúde discutindo os principais temas que compõe o leque Cérebro e Mente.

      Por fim agradecemos a enorme ajuda de nosso coordenador científico Dr. Levi Jales, da equipe que patrocinou o evento e do apoio da Universidade Potiguar.

      Atenciosamente
      Turma de Medicina do 5o Período da UnP.

    Publicidade