Sindicatos programam ato público durante inauguração da Arena

Os sindicatos denunciam o abandono dos serviços públicos e a prioridade para as obras da Copa do Mundo

O ato terá início às 14h, com concentração nas avenidas Bernardo Vieira e Salgado Filho. Foto: Canindé Soares
O ato terá início às 14h, com concentração nas avenidas Bernardo Vieira e Salgado Filho. Foto: Canindé Soares

A inauguração oficial do estádio Arena das Dunas em Natal, que contará com a presença da presidenta Dilma Roussef, será a ‘carta na manga’ para os diversos movimentos sociais que se firmaram na cidade em busca de melhorias dos serviços públicos. Com o lema ‘Da Copa eu abro mão, queremos dinheiro para saúde, segurança e educação’, diversas entidades sindicais prometem fazer barulho contra os gastos do governo federal e estadual com a Copa do Mundo.

O ato terá início às 14h, com concentração nas avenidas Bernardo Vieira e Salgado Filho. De lá, os manifestantes sairão em passeata até o estádio, onde será realizada a solenidade de inauguração, com início agendado para às 16h. Dentre as autoridades, é esperada a presença do Secretário Geral da Fifa, Jérôme Valcke, dos ministros do Esporte, Aldo Rebelo, e da Previdência Social, Garibaldi Filho, da Governadora do RN Rosalba Ciarlini e de outras representações políticas locais.

A mobilização foi aprovada em reunião com sindicatos dos servidores da saúde, policiais civis, servidores estaduais, funcionários da UFRN, guardas municipais e estudantes. O Sindicato dos Bancários, as centrais CSP-Conlutas e Intersindical e a Anel (Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre) também convocam o protesto. Os líderes sindicais anunciam manifestação pelas redes sociais.

“Parece que os governantes esqueceram o que a população exigiu nos protestos de junho. Mas estão enganados. Essa vai ser a Copa dos protestos”, afirmou Rosália Fernandes, do Sindsaúde-RN. O ato exigirá a saída da governadora Rosalba Ciarlini, cujo afastamento chegou a ser decidido pelo TRE, no final do ano. Os sindicatos denunciam o abandono dos serviços públicos e a prioridade para as obras da Copa do Mundo.

Os gastos na construção do estádio Arena das Dunas, nas obras do aeroporto, dos acessos e na ampliação da avenida Roberto Freire – que saiu da Matriz de Responsabilidade da Copa e deve estar em obras durante o Mundial – superam a cifra de R$ 1 bilhão. Para os organizadores do ato, este gasto é um absurdo diante do fechamento das pediatrias, dos pacientes nos corredores dos hospitais, da falta de gasolina para os carros da polícia, da falta de professores nas escolas e dos baixos salários dos servidores públicos.

“Nós, técnicos administrativos das universidades federais do RN, já temos um indicativo de greve agendado para março. Esse indicativo foi orientado pela Fasubra, a quem somos filiados, e deverá acontecer com todos os funcionários públicos das entidades estudantis federais. Vamos aproveitar o ato público para fazer o lançamento da campanha salarial 2014″, destacou José Rebouças da Costa, coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Ensino Superior (Sintest/RN).

A campanha salarial do Sintest inclui cumprimento de acordo da greve realizado com Dilma em 2012, aprimoramento na carreira com ascensão funcional, redução da jornada de trabalho, oposição à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) que administrará Hospitais Universitários e oposição à criminalização dos movimentos.

O Sindicato dos Médicos (Sinmed) também confirmou participação no ato, com objetivo de mostrar indignação e questionamentos à presidenta da República sobre o caos na saúde pública em todo o país. Professores ligados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte/RN) também marcarão presença no ato, de modo a reforçar indicativo de greve da categoria.

Nas redes sociais, a Anel também manifestou repúdio às administrações públicas. “Enquanto o nosso Estado sofre as consequências da falta de investimento na saúde, educação e segurança, os governos de Dilma e Rosalba gastaram cerca de R$ 400 milhões apenas na obra do estádio. As contradições não param por aí. Logo ali pertinho do Arena das Dunas, no Hospital Walfredo Gurgel, centenas de pacientes são abandonados nos corredores do hospital, morrem pela falta de assistência médica e serviços básicos”, destaca. “Estamos cansados da falta de prioridade dos governantes com a juventude e com os trabalhadores. Em 2014 temos que ocupar mais uma vez as ruas. Abrimos mão da copa, queremos investimentos na saúde e na educação”.

Compartilhar:
    Publicidade