Sinmed denuncia ‘rapa’ do governo do Estado no Sandra Celeste e Leide Morais

Até aparelhos de ar condicionado, o governo estaria tentando retirar para enviá-los às unidades no Interior do RN

7ui44u45u56u

Uma comissão de médicos do município de Natal, liderada pelo Presidente do Sindicato dos Médicos do RN, Geraldo Ferreira, realizou na manhã desta segunda-feira (26) uma visita à Unidade de Pronto Atendimento Infantil Sandra Celeste, e ao Centro de Saúde Reprodutiva Leide Morais, no bairro do Alecrim, para averiguar denúncias de falta de condições de trabalho e esclarecer sobre a greve dos médicos de Natal que teve início hoje.

Foi identificada uma demanda exagerada e desordenada para o Sandra Celeste, com atendimentos de pacientes encaminhados de todas as regiões do estado, principalmente de Parnamirim. A demanda de urgências e emergências é tamanha, que na noite de ontem um médico chegou a atender mais de 80 pacientes. Até metade da manhã de hoje cada um dos 3 médicos de plantão, já havia atendido mais de 30, e os corredores permaneciam lotados.

De acordo com o presidente do Sinmed-RN, Geraldo Ferreira, a demanda exagerada coloca em risco o paciente e o profissional.

No Sandra Celeste os leitos de observação são apertados em uma sala pequena e não possuem demarcação, ficando os pacientes expostos, bem como os locais de atendimento, nos quais uma sala chega a comportar mais de três atendimentos ao mesmo tempo, sem qualquer divisão de espaço para assegurar a preservação da intimidade do paciente e maior concentração do médico.

A comissão ainda averiguou sucateamento das instalações com leitos enferrujados e sem oxigênio, longa espera para cirurgias e falta de insumos para atendimentos.

No Sandra Celeste cerca de 20 médicos são contratados via cooperativa e 8 são do quadro da Secretaria Municipal de Saúde. Enquanto os médicos cooperados recebem cerca de R$1.500 por um único plantão, os médicos da SMS Natal recebem quase o mesmo valor para a realização de 6 plantões. O Sinmed-RN vai averiguar se esse pagamento superior faz com que os médicos cooperados permaneçam trabalhando, mesmo sem as condições mínimas de atuação, colocando em risco à população.

Centro de Saúde Reprodutiva é depenado

A comissão de médicos municipais realizou visita ao Centro de Saúde Reprodutiva Leide Morais, que está em processo de municipalização. De acordo com a diretoria do Centro, antes de repassar a unidade para o município de Natal a Secretaria de Saúde do RN – SESAP – retirou do local materiais e profissionais para redistribuição em hospitais regionais do interior, Walfredo Gurgel e ampliação do Hospital João Machado.

A unidade hoje mantém apenas os atendimentos de dermatologia e mastologia. Os cerca de 24 médicos estão desassistidos, sem profissionais técnicos e auxiliares para a realização de exames e procedimentos, já que praticamente todos foram redistribuídos pela SESAP, o que impede por exemplo o trabalho dos ginecologistas. Há ainda a denuncia da tentativa do estado de retirar outros materiais, até mesmo aparelhos de ar condicionado, para encaminhamento a unidades do interior, o que foi impedido pela diretoria, no entanto os equipamentos de laboratório já foram retirados.

h56u56u54u4u

Após a visita, o Sinmed deve se empenhar na tentativa de impedir o processo de municipalização que paralisa serviços já consolidados e programas de saúde estruturados, como o programa do adolescente, que auxilia jovens em tratamento de doenças sexualmente transmissíveis, dentre outros, para transformar o centro em uma unidade de atendimento básico.

Greve

Os médicos municipais permanecem em greve por tempo indeterminado. Uma audiência foi marcada com o prefeito Carlos Eduardo para hoje, às 16h, na sede da prefeitura. Na noite de hoje, 19h, a proposta da prefeitura será discutida em assembleia com os profissionais, no Sinmed-RN. As visitas às unidades de saúde devem continuar e uma manifestação está marcada para amanhã (27), às 9h, em frente à Assembleia Legislativa.

Compartilhar: