SMS inicia combate à doenças de veiculação hídrica em Natal

Somente em 2013, 6583 casos de diarréia foram registrados na capital potiguar

Mercados públicos da capital foram visitados pela Vigilância Ambiental nesta sexta-feira. Foto: José Aldenir
Mercados públicos da capital foram visitados pela Vigilância Ambiental nesta sexta-feira. Foto: José Aldenir

Diego Hervani

diegohervani@gmail.com

 

Na tentativa de reduzir o número de casos decorrentes de doenças de veiculação hídricas (DVAs), a Secretaria Municipal de Saúde, através do setor de Vigilância Ambiental, realizou nesta sexta-feira (14), uma visita aos mercados públicos de Natal para explicar os procedimentos para evitar tais problemas.

Somente em 2013, 6583 casos de diarréia foram registrados na capital potiguar e, de acordo com o chefe do setor ambiental da SMS, Marcílio Xavier, a grande maioria foi decorrente de problemas com água contaminada e alimentos mal lavados. “Entendemos que muitos desses problemas poderiam ter sido evitados se as pessoas condicionassem de uma maneira adequada. A água começa a criar microorganismos e passa a causar doenças para quem tem contato com essa água. Além disso, os alimentos, como frutas e verduras também são lavados com essa água contaminada”.

Além da diarréia, doenças como amebíase, giardíase, cólera e hepatite. Para evitar esses problemas para a saúde, além de tomar cuidado na conservação da água, é necessário lavar muito bem os alimentos, principalmente as frutas e verduras. “Não queremos falar em uma epidemia, já que o trabalho da vigilância é exatamente se antepor a esses problemas. Mas não podemos fazer nada sem a ajuda da população. Para evitar esses problemas, os consumidores e estabelecimentos não podem pensar que apenas lavar na água vai tirar qualquer tipo de perigo”, afirmou Marcílio.

Para ajudar a população, a SMS está distribuindo gratuitamente frascos de hipoclorito de sódio a 2,5%, que é normalmente utilizado para purificar a água para consumo humano. “O que passamos para a população é de que use uma colher de sopa do produto em uma bacia com 1 litro de água. Depois coloque as frutas e verduras e deixe por 20 minutos. Assim o risco de se contrair uma doença ao ingerir esses alimentos vai diminuir bastante”, explicou Marcílio Xavier.

Para a auxiliar de cozinha Hosana do Nascimento, que trabalha em um restaurante no Mercado de Petrópolis, a visita da Vigilância Ambiental foi importante, já que ele costumava utilizar outro produto para a lavagem dos alimentos. “Antes eu usava água sanitária, mas ele me passou que não tem o mesmo efeito. Já tínhamos muito cuidado com os nossos alimentos, mas agora vamos usar esse novo produto. Pelo que eu vi aqui, o alimento fica com uma textura melhor, fica mais natural. Vamos usar sempre agora”.

Em janeiro, a Vigilância Ambiental fez a mesma visita nos quiosques das praias urbanos de Natal. Na próxima semana eles estarão nas feiras livres da capital potiguar. “As feiras livres são de extrema importância para a vigilância, pois as feiras livres que vendem os produtos para restaurantes e também para a própria população. Então é importante que esse alimento chegue nas feiras já com uma qualidade boa”, finalizou Marcílio.

Compartilhar:
    Publicidade