Sobre ajudas e presentes

Ainda não era noite de natal, mas já estávamos naqueles dias de véspera, onde o clima de fim de ano…

Ainda não era noite de natal, mas já estávamos naqueles dias de véspera, onde o clima de fim de ano toma conta de todos. O dia de trabalho havia chegado ao fim e, como sempre, a hora era de caminhar para o descanso do doce lar.

No meio do caminho, ainda de longe, avistou algo estranho. Em meio a rua um pouco escura, foi se aproximando devagar. A cada novo passo, a imagem ficava mais clara. A poucos metros, percebeu que eram duas pessoas, uma delas um garoto.

A mulher e o menino estavam agachados, diante de um canteiro totalmente ocupado pelo lixo. Eram tantas caixas de coisa velhas, descartadas por seus antigos proprietários, que o acúmulo até impressionava.

Os dois não perceberam a aproximação de ninguém. Pareciam procurar por alguma coisa, embora demonstrassem mal saber do que se tratava. Quando viram que estavam sendo observados, se assustaram e ficaram paralisados.

Quando viu o que causou, o homem pediu desculpas. Sorriu, e, depois, perguntou o que os dois estavam procurando em meio a todo aquele lixo. Se soubesse o que escutaria como resposta, certamente, pensaria duas vezes.

A mãe apontou para o filho, antes de responder. “Ele me pediu um presente. Estou procurando um brinquedo para ele e, se tiver sorte, algo para que possamos comer ainda hoje”. Frase dita de forma curta, natural, simples, sincera.

Naquele momento, o senhor olhou nos olhos da moça, sentiu sua visão ficar embaçada, teve vontade de sair correndo dali, mas se segurou. Em silêncio, tirou do bolso um carrinho que havia comprado para o neto e entregou ao menino.

O garoto não conteve a alegria ao receber o pequeno “presente”. Olhou para a mãe, como se esperasse uma autorização para receber o brinquedo, antes de se agarrar com aquele que seria por muito tempo sua única diversão.

Antes de ir, o homem tirou o pouco dinheiro que carregava na carteira. Olhou novamente nos olhos da mulher, e a desejou um feliz natal.

Depois, foi embora, se esforçando para não olhar mais para trás.

Quando chegou ao fim da rua, diante de sua humilde residência, ouviu os sorrisos da sua família. Sentiu-se aliviado. Antes de entrar na casa, ainda olhou para o céu e, em forma de pedido, pensou alto: “Pena que não posso ajudar mais senhor”.

 

PARA TODO O BRASIL
A repercussão nacional da confusão ocorrida na padaria Mercatto, entre o desembargador Dilermando Mota, um garçom e o empresário Alexandre Azevedo, está apenas no início. Após o SBT e a Folha de São Paulo colocarem o assunto em pauta, a expectativa agora fica por conta das apurações da revista Veja e do programa Fantástico, da Rede Globo.

PERSONAGEM CENTRAL
Em tempo: enquanto os veículos de comunicação disputavam o furo de mostrar o rosto de Alexandre Azevedo, poucos perceberam que o pedaço da história ainda em falta é, justamente, o depoimento do garçom pivô de toda a briga que ganhou o país por meio das redes sociais. O funcionário da Mercatto ganhou férias após o ocorrido, e teve direito até a consultas com psicólogos.

FUROS
Parabéns ao jornalista Jacson Damasceno, esse sim responsável por dar em primeira mão as palavras do empresário Alexandre Azevedo sobre a discussão na padaria. Até esta sexta-feira (03), antes de entrevistar o “Gordinho da Mercatto” no Patrulha Policial da TV Ponta Negra, as versões sobre o fato se limitavam apenas as notas na imprensa.

DÚVIDA
Essa poderia ir para a séria perguntar não paga imposto. Caso a atual vice-prefeita Wilma de Faria volte ao governo, os servidores querem saber se ela vai implantar os 16 planos de carreira que Iberê Ferreira aprovou no apagar das luzes de sua administração, e caíram no colo de Rosalba Ciarlini, que até hoje não teve dinheiro para honrar os compromissos assumidos por seus antecessores. Com a resposta, a ex-governadora.

LEMBRANÇAS
Interessante a reação do ex-deputado estadual Leonardo Arruda, diante da possibilidade do secretário de Desenvolvimento Econômico, Rogério Marinho, assumir o comando do ABC. Até hoje, nenhum dirigente alvinegro se beneficiou tanto politicamente do time do que o próprio Leonardo, quando foi presidente do clube nos anos 90. Na época, conseguiu um mandato na Assembleia e ainda se candidatou a prefeito de Natal.

POLÍTICO-CARTOLA
Por falar em política e esporte, o deputado estadual Gustavo Carvalho reassume a presidência do América no dia 9. O parlamentar esteve à frente do alvirrubro no último acesso a primeira divisão nacional, em 2006. No período, o então empresário acabou entrando para a política devido a boa repercussão do seu trabalho no clube.

CIDADE ABANDONADA
Este colunista presenciou na noite desta sexta-feira (03) um assalto na rua Valter Fernandes, em Capim Macio. Um casal de meia idade caminhava pela via, uma das mais movimentadas do bairro, certamente no caminho de casa, quando foram surpreendidos por dois marginais em uma moto, ambos de capacete. Em meio a escuridão causada pela falta de iluminação pública, praticaram o crime.

ESCURIDÃO
A Ação dos bandidos é a prova de que a falta de uma boa qualidade na iluminação das ruas da cidade é, sim, fator que contribui para o aumento da violência. Além de ser o mínimo a ser feito pelo poder público, em uma cidade totalmente entregue a bandidagem. A população, cansada do descaso, ainda espera uma ação da Prefeitura neste sentido.

 

Compartilhar:
    Publicidade