Sobrecarga em estação elevatória vem causando transtornos a moradores

Carros e pedestres chegam a ser atingidos pelo esgoto que jorra de duas torres

Caixa-de-agua-e-esgoto-causa-transtorno-a-moradores-em-Lagoa-Nova-WR

O trecho da avenida Amintas Barros, entre as avenidas Xavier da Silveira e Rui Barbosa, no bairro de Nova Descoberta, possui um “defeito especial”: chuva de água servida. O problema ocorre em função de duas torres de uma estação elevatória que jorra esgoto eventualmente, alagando a rua, “banhando” pedestres e carros que passam pelo local.

O servidor público Antônio Sérgio de Holanda mora nas proximidades do trecho há 15 anos e, segundo ele, o problema sempre existiu nesse período. Segundo ele, uma equipe da Caern sempre aparece no local, mas “sempre é um serviço meia-boca”. Um das torres tem cerca de 15 metros de altura e a outra, 10 metros.

“Tem dia que está com a vazão bem forte e as pessoas nem passam com medo de se molhar. Até os carros passam devagar”, contou. Conforme o servidor público, o problema ocorre com mais freqüência em tempos de chuva e pela manhã.

A água servida também causa grande incômodo pelo mau cheiro.”E não é água potável não”, frisou Holanda. O pior é que outras ruas das redondezas também sofrem. “A água desce nas outras ruas, empossa nas laterais dessa rua. Espero que não se faça mais gambiarra”, completou.

O estudante João Paulo de Sousa passa pelo trecho da Amintas Barros com freqüência. “Já passei por aqui e está tudo cheio de água e os carros passam e joga água nas pessoas que estão passando”, disse. Uma das pessoas que já levou um “banho” de água suja foi o militar reformado Orlando Macêdo. “Coincidiu de estourar quando eu estava passando, aquela neblina caindo”, relembrou. Segundo Macedo, a situação tem diminuído de frequência.

Por enquanto, só quem tem se beneficiado com a chuva de água servida são as plantas do canteiro central logo abaixo das torres. Flores de várias cores nasceram e as demais plantas estão aparentemente saudáveis com água que já vem com adubo, já que é originária do sistema de esgoto.

Caern e Semurb

De acordo com a assessoria de comunicação da Caern, o sistema de esgotamento da região funciona perfeitamente. O problema seriam as ligações clandestinas feitas no sistema que acabam o sobrecarregando. Nos períodos de chuva o transtorno fica mais freqüente pois a água das chuvas também são encaminhadas ilegalmente para o sistema de esgoto.

Ainda segundo a assessoria de Comunicação, a empresa não tem o poder de polícia para fiscalizar, autuar e multar quem altera a rede de esgoto. Essa função seria da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb).

Mas para o secretário titular da Semurb, Marcelo Toscano, deve haver uma parceria entre a empresa responsável pelo saneamento da cidade e os fiscais da pasta do Meio Ambiente. “É um trabalho em conjunto, a Caern tem os equipamentos para verificar essas ligações e nos passa. Nós, como Prefeitura, fiscalizamos”, disse. Toscano informou que o trabalho é feito por demanda. Mas neste sábado (3), não havia como checar se já havia sido feita alguma fiscalização na região da estação elevatória conforme o secretário.

Compartilhar:
    Publicidade