Supermercados da capital potiguar irão fechar às 22 horas devido à insegurança

A decisão foi tomada após assembleia realizada pela Assurn. Assaltos e outras ocorrências foram o motivo da decisão

Foto: José Aldenir
Foto: José Aldenir

As pessoas que costumavam fazer compras nos supermercados já no final da noite, seja por tentarem evitar o fluxo de pessoas ou por não terem tempo em outros horários, terão que mudar de rotina. A partir da próxima segunda-feira (14), todos os supermercados do Estado funcionarão, no máximo, até as 22h.

A decisão foi tomada depois de uma longa assembleia realizada nesta semana pela Associação dos Supermercados do Rio Grande do Norte (Assurn). “Nós sempre estamos fazendo reuniões para discutir ações visando melhorar os nossos serviços. Como ponto mais importante, passamos a discutir sobre a situação da segurança e identificamos que poderíamos tornar a vida de clientes e dos próprios colaboradores mais seguras acabando com esse horário até a meia noite que alguns supermercados adotavam”, afirmou Eugênio Medeiros, diretor da Assurn.

Segundo Eugênio, nos últimos meses alguns assaltos, principalmente contra colaboradores, foram registrados. “Muitos dos nossos colaboradores moram distantes dos supermercados, como na Zona Norte, por exemplo. Não conseguimos contratar pessoas que morem próximas dos estabelecimentos. Então fica complicado para eles saírem depois da meia noite, pois a grande maioria não tem carro próprio. Já tivemos casos deles serem assaltados nas paradas, nos próprios ônibus”. “Os clientes também sofrem um pouco com a insegurança também. Pois, quanto mais tarde for, mesmo que utilizem carros próprios, mais inseguro fica”, explicou.

Além da segurança, a questão financeira também foi levada em consideração, pois o horário era considerado o menos rentável. “Fizemos um levantamento e realmente vinha sendo constatado que depois das 22h o fluxo de pessoas nos supermercados era muito pequeno. Porém, para mantermos esses supermercados abertos, precisávamos manter colaboradores em todos os setores e isso também gera um custo maior, pois temos que pagar hora extra. Com essa decisão não iremos mais ter esse tipo de custo. Vai ser só uma questão de não pagar mais hora extra. Não vamos mexer em nada no quadro de funcionários”, frisou Eugênio.

Questionado se a decisão não iria prejudicar quem só pode ir aos supermercados após as 22h, o diretor da Assurn alegou os clientes terão que se acostumar com a mudança. “É só uma questão de adequação. Muitas pessoas alegam que não têm tempo em outros horários, por isso vinham depois das 22h. Mas os supermercados abrem de domingo a domingo. A grande maioria abre a partir das 7h e seguem até as 22h. Ou seja, as pessoas têm 15 horas todos os dias para irem até os supermercados. É se adequarem”.

Por fim, Eugênio ainda destacou que essa mudança é uma tendência nacional. “Em todos os Estados nós estamos tendo esse tipo de mudança. Em São Paulo, por exemplo, os grandes grupos de supermercados funcionavam 24 horas por dias, mas já mudaram esse cenário, pois não é viável. Aqui em Natal tentamos fazer um supermercado 24 horas por dia, mas isso não durou nem um mês. Financeiramente não é viável. Não podemos manter um supermercado funcionando até mais tarde se o fluxo de clientes não compensa”.

Compartilhar: