Surrupio patrocinado pela Caixa é caso de Polícia

Por Ucho Haddad Mãos ao alto – Em qualquer país minimamente sério do planeta, a “tunga” que a Caixa Econômica…

Por Ucho Haddad

Mãos ao alto – Em qualquer país minimamente sério do planeta, a “tunga” que a Caixa Econômica Federal deu nas cadernetas de milhares de clientes, sob a alegação de que as mesmas estavam irregulares, a polícia já teria entrado em ação e levado à prisão o presidente da instituição financeira, Jorge Hereda.

O Banco Central (BC) divulgou nota no domingo (12) informando afirma que não houve qualquer prejuízo para os clientes da Caixa com a decisão do banco de encerrar, em 2012, as contas de poupança que estavam com CPF irregulares, mas não é essa a tradução da realidade.

A Caixa, por sua vez, após a direção da instituição ser cobrada pela presidente Dilma Rousseff, anunciou que o dinheiro esta disponível, mas trata-se de uma mentira deslavada, pois na manhã desta segunda-feira (12) muitos clientes que tiveram as poupanças excluídas elas foram informados que as contas não mais existem e não há qualquer valor a ser ressarcido.

Ou seja, garfaram na cala da noite as economias de milhares de brasileiros, que a partir de agora terão de recorrer à Justiça. Se o que a Caixa fez com o dinheiro alheio tivesse sido cometido por alguém sem qualquer proteção, esse já estaria atrás das grades respondendo por apropriação indébita.

Ao banco público não cabe decidir sobre a destinação dos valores depositados em uma conta poupança, mesmo que o CPF do titular esteja irregular. A eventual irregularidade do documento de inscrição do titula na Receita Federal não extingue a propriedade do dinheiro.

Considerando que a Caixa agiu e maneira criminosa ao se apropriar do dinheiro alheio (R$ 719 milhões), lançando o valor de R$ 420 milhões (descontados os impostos) como lucro do banco, que a mesma tese seja aplicada aos clientes inadimplentes que têm CPFs irregulares. Ou seja, que cancelem suas dívidas por conta de eventuais irregularidades ou pendências nos documentos.

A presidente Dilma, que já mostrou ser uma governante que carece de pulso, deveria demitir toda a direção da Caixa, pois é inadmissível que um caso como esse aconteça à luz do dia, sem que seus responsáveis sejam punidos de acordo com o que determina a legislação.

Não custa lembrar o caso do caseiro Francenildo Costa, o caseiro Nildo, que teve o seu sigilo bancário violado no rastro de uma operação criminosa para tentar blindar o então ministro Antonio Palocci Filho, da Fazenda. O máximo que aconteceu no caso foi a demissão do então presidente do banco, Jorge Mattoso, o arrogante que faz parte da “panelinha” de Marta Suplicy.

Mas não é apenas esse escárnio que ocorre na Caixa Econômica Federal. A instituição deixou de atualizar o saldo inativo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) de milhares de beneficiários, desde 2009. A Polícia Federal precisa fazer uma visita na sede da Caixa, sempre lembrando que é importante reforçar o estoque de algemas. (UH no Portal do Ucho)

 

Rolezinho
É incrível como grande parte da imprensa embarca em discurso sociológico previamente elaborado para estabelecer combustão espontânea nas manifestações e arruaças pelo Brasil afora. Estão colocando espuma social no sabão da militância.

O candidato
É bom o PMDB não embromar demais na escolha do nome para disputar a cadeira de Rosalba Ciarlini. Se houver mesmo uma tática para lançar Henrique ou Garibaldi em maio, precisa alertar Fernando Bezerra, que já está com toda a pinta de candidato.

Aliança
Ao mesmo tempo em que surge a notícia de que Eduardo Campos disse que não há nenhuma aliança do seu PSB decidida nos estados, em Pernambuco o partido costura chapa com o PMDB de Jarbas Vasconcelos e Raul Henry, como Wilma quer aqui.

A chapa
A jornalista Renata Bezerra de Melo, da Folha de Pernambuco, publicou que Eduardo e Jarbas têm um encontro nas próximas horas para definir a formação de uma chapa, que poderá ter Tadeu Alencar (PSB) para governador e Raul Henry (PMDB) para senador.

Base desalinhada
Apesar do PT potiguar continuar pregando que haverá formação de chapa majoritária com o PMDB, seguindo o modelo da campanha para presidente, a coisa é exatamente o contrário em Pernambuco, onde Lula e Rui Falcão orientaram aliança com o PTB.

O fator Enéas
É louvável o apelo do deputado Kelps Lima em favor da impessoalidade na política e na administração pública. O problema é que na prática, a sociedade confia em pessoas. No mesmo filmete, o parlamentar faz questão de frisar seu nome e o do seu partido.

Livro-bomba
É impressionante a extensão da lista de encomendas do livro de Romeu Tuma Jr. na Livraria Saraiva, do Midwat Mall (a empresa tem outra loja no Natal Shopping). As remessas do livro não conseguem chegar às gôndolas, são todas para entrega.

PT e PFL
O senador José Agripino é a personalidade potiguar citada no livro de Tuma Jr., nas páginas 46 e 47, como figura decisiva para uma aliança do PT com o PFL na eleição do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Rodrigo Garcia, em 2005.

Quem diria?
O fato é mais um para comprovar o maquiavelismo e hipocrisia petistas. No ano em que explodiria o “mensalão” dos Zés (Dirceu e Genoíno), o PT trabalhava sua bancada paulista para votar junto com a do PFL de José Agripino e Jorge Bornhausen.

Propaganda
Há sinais de que os mesmos motivos que levaram a agência Marca Propaganda, de José Ivan Fernandes, a questionar a licitação da Assembleia Legislativa, serão usados pela Armação Propaganda, de Jener Tinoco, para protestar contra a do governo estadual.

Escravos online
A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) confirmou que o autor da postagem no site Mercado Livre vendendo pessoas negras por R$ 1,00 é oriundo do Rio de Janeiro. O MP carioca está com os dados cadastrais do usuário.

Compartilhar: