Talvez apenas uma pausa – Walter Gomes

Na sequência da aposentadoria, Joaquim Barbosa passa período (indeterminado) nos Estados Unidos e faz viagens (curtas) à Europa. Pelo menos,…

Na sequência da aposentadoria, Joaquim Barbosa passa período (indeterminado) nos Estados Unidos e faz viagens (curtas) à Europa. Pelo menos, uma entidade internacional de combate à corrupção pretende tê-lo na diretoria. O (ainda) ministro-presidente do Supremo Tribunal Federal, embora vitorioso como jurista, mostra desencanto com a vida pública.

Há fila de candidatos – declarados, alguns; outros, discretos – à vaga de Barbosa. Mantido o prazo de despedida por ele anunciado, o desligamento da Corte será oficializado em um mês. Cabe à presidente da República fazer a indicação ao Senado. A casa costuma aprovar. Será a quinta de Dilma Rousseff em quatro anos.

São dois os pretendentes de dentro do governo:

> José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça. Filiado ao PT de São Paulo, foi duas vezes vereador na capital e deputado federal de dois mandatos;

> Luís Inácio Adams é titular da Advocacia Geral da União. Sucedeu a José Dias Toffoli, atualmente ministro do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

Togados com assento e prestígio no plenário do STJ (Superior Tribunal de Justiça) são sempre opções de saber jurídico. Se a senhora Rousseff optar por uma mulher, a ministra Nancy Andrighi tem cotação elevada. Na hipótese de premiar a reivindicação de movimentos afros, o nome é Benedito Gonçalves.

‘Pós-escrito’: Militância política está fora da agenda do midiático mestre em Direito. Como cidadão-eleitor, não abre o voto. Tem, entretanto, simpatia pelo projeto eleitoral de Aécio Neves e admiração por Marina Silva, provável vice de Eduardo Campos.

A missão-desafio

Do Planalto para a equipe do PMDB em São Paulo.

Helena Chagas (foto) é a novidade na equipe dirigente da campanha de Paulo Skaf (*) para o Palácio dos Bandeirantes.

A jornalista foi ministra-chefe da Secretaria de Comunicação Social da presidente Dilma Rousseff. No início deste ano, pediu para sair. Motivo: ampliaram-se as dificuldades na relação dela com o PT.

(*) Fosse hoje a escolha dos finalistas ao segundo turno, o empresário ultrapassaria o médico Alexandre Padilha (PT). Skaf iria ao embate da decisão com o governador Geraldo Alckmin (PSDB), primeiro lugar nas intenções de voto.

- A presidente Dilma Rousseff e os rivais bem cotados foram a São Paulo (capital e interior), nesta semana. Ela esteve em São Bernardo do Campo. Aécio Neves encontrou-se com autoridades católicas na Basílica de Aparecida. Eduardo Campos reuniu-se com líderes empresariais e políticos de Araraquara e Franca.

- Em Alagoas, a candidatura do senador Benedito Lira (PP) equilibra o embate para o Executivo estadual. No momento, o favorito é o deputado Renan Calheiros, filho, apoiado por pluralíssima coligação liderada pelo PMDB.

- Dia 15 de junho, lançamento oficial da candidatura do senador Rodrigo Rollemberg (PSB) ao governo do Distrito Federal.

- O pragmático Delfim Netto reconhece que os indicadores da economia levam à desesperança do mercado e, depois, dos contribuintes-consumidores.

- Sandra e Betinho, deputados potiguares de sobrenome Rosado, dependem da votação em Mossoró para a renovação do mandato. A disputa tem a marca do radicalismo. Ela é do PSB; do PP, ele.

- Para refletir: “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende” (Leonardo da Vinci, pintor italiano).

Compartilhar: