Taxistas e rodoviários fecham marginais da BR em protesto contra violência em Natal

Motoristas se uniram e fecharam as marginais da BR-101 próximas à Governadoria

Dezenas de passageiros tiveram que caminhar por quilômetros para conseguir chegar em casa ou no trabalho. O trânsito também ficou completamente congestionado. Foto: Wellington Rocha
Dezenas de passageiros tiveram que caminhar por quilômetros para conseguir chegar em casa ou no trabalho. O trânsito também ficou completamente congestionado. Foto: Wellington Rocha

Diego Hervani

diegohervani@gmail.com

 

Após mais uma onda de violência contra profissionais das categorias, taxistas e rodoviários se uniram e fizeram um grande protesto em Natal. Nesta sexta-feira (22), os trabalhadores se concentraram na BR-101 e bloquearam o fluxo das duas marginais em frente à Governadoria. Houve bate-boca com a população e um representante do sindicato dos rodoviários foi detido.

O estopim para mais essa paralisação foi a morte de um taxista nesta quinta-feira – o corpo dele foi encontrado por trás de uma fábrica em Extremoz. “Esse foi mais um caso de violência contra os taxistas, que estão cansados dessa violência. O Governo não faz nada para nos ajudar. Então temos que protestar mesmo. Nós temos as nossas famílias para sustentar e estamos entregues para a bandidagem. Mataram um colega nosso e hoje assaltaram mais um com muita violência. Estamos revoltados com essa situação”, afirmou Roberto Campos, representante da Associação de Taxistas da Zona Norte de Natal.

Para ele, uma das soluções para a diminuição dos assaltos contra taxistas seria o aumento no número de blitzen. “Uma época eles fizeram diversas blitzen com os táxis e o número de assaltos diminuiu consideravelmente. Porém, eles pararam. Hoje em dia, quando a polícia faz blitzen, ela aborda apenas o motorista. Mas o problema é exatamente no passageiro. Não é o motorista que vai roubar o próprio táxi”.

Já a participação do Sindicato dos Rodoviários do RN (Sintro-RN), se deu em apoio aos taxistas e depois de outro ônibus ser assaltado em Natal, mesmo com todos os planos e operações que a Polícia Militar tem feito para tentar inibir a ação dos criminosos. “Os taxistas são vítimas da insegurança assim como nós e toda a população. Se falou muito de abordagens e ações para diminuir a violência, mas isso não vem trazendo resultado algum, tanto que a violência continua. Ontem assaltaram um ônibus na Zona Leste da cidade e essa rotina continua todos os dias”, destacou Oswaldo Furtando, diretor do Sintro-RN.

Boa parte dos usuários que estavam nos ônibus quando a paralisação começou demonstrou apoio aos manifestantes. Entretanto, outros se mostraram indignados com o ocorrido. Como foi o caso do vendedor Jorge Henrique. “Isso é um absurdo. Eu estava indo para casa, pois minha esposa está doente, mas agora não posso mais. Claro que é triste o que aconteceu a um colega deles, mas a população não tem culpa. Eles têm que ir reclamar na casa da governadora e do prefeito e não deixar a população na mão”. Em uma das marginais, dois usuários, ainda mais revoltados, retiraram uma das faixas que dois rodoviários estavam segurando. Ao perceberam a ação, outros manifestantes foram para cima da dupla. Apesar do bate-boca, não houve nenhuma agressão.

No meio da confusão, um dos representantes do Sintro-RN foi preso pela Polícia Militar. Até o fechamento desta edição, uma comissão representativa dos taxistas e rodoviários estavam em reunião com secretário de segurança do Estado, Eliéser Girão. Para liberarem as marginais e voltarem ao trabalho, os manifestantes exigiam a liberação do integrante do sindicato que tinha sido detido e medidas emergenciais contra a insegurança.

Com medo da violência, taxistas mudam rotina

Taxistas de todo o Rio Grande do Norte, principalmente de Natal, estão mudando a rotina de trabalho para tentar evitar a violência que cresce a cada dia no Estado. De acordo com o sindicato da categoria, muitos motoristas estão deixando de trabalhar no período noturno e de atender chamados em bairros considerados perigosos.

“Muitos taxistas estão preferindo começar a trabalhar bem cedo para não ter que ficar no período da noite. Se você observar bem, a quantidade de táxis nas ruas durante a noite diminuiu bastante nos últimos anos. Como o Governo não nos garante a segurança, a categoria tem tomado providência para se resguardar contra a segurança”, afirmou Wdarlan Rodrigues, presidente do Sindicato dos Taxistas do Rio Grande do Norte (Sindtáxi-RN).

Aqueles condutores que ainda trabalham a noite fazem uma série de restrições na hora de atender aos chamados. “Existem alguns bairros que realmente os taxistas preferem atender, como bairros da Zona Oeste e Zona Norte, pois lá sempre acontecem muitos assaltos”, frisou Wdarlan. Ainda segundo o presidente do Sindtáxi, quem estiver andando pelas ruas depois das 20h e pedir parada para um táxi, é bom ficar sabendo que existe uma grande possibilidade de que o motorista não pare.

“Os taxistas trabalham atendendo todo tipo de pessoas. Nós não temos como saber se aquela pessoa é um bandido ou não. Durante a noite temos trabalhado mais no atendimento ao pessoal da Central de Rádio mesmo, que é quando a pessoa liga para a central pedindo um táxi e a central no comunica. Na maioria das vezes essa pessoa liga de uma residência ou algum restaurante, então garante um pouco mais de segurança. Nesse horário nós procuramos evitar ficar circulando pelas ruas exatamente para evitar uma ação criminosa”.

Polícia prende suspeitos de terem matado taxista

Nesta sexta-feira, a PM também prendeu um casal suspeito de ter praticado o assalto ao ônibus da empresa Trampolim da Vitória na noite desta quinta (21), na Zona Oeste de natal. Uma menor de 15 anos e um jovem de 18 foram detidos em uma casa na Rua Camaragibe, no bairro de Mãe Luíza. Com ele foram encontrados cinco celulares e diversos produtos que podem ser das vítimas do roubo.

O jovem e a adolescente foram levados para a 4ª Delegacia de Polícia Civil. Os produtos apreendidos também estão na delegacia. Um outro suspeito de ter participado do assalto ainda é procurado. De acordo com a PM, o trio rendeu o motorista do ônibus nas imediações de Mãe Luíza e depois o obrigaram a dirigir até o bairro, onde eles desceram e fugiram.

Compartilhar:
    Publicidade