TCE recomenda que BNDES suspenda empréstimo à Arena da Baixada

Estádio precisa de R$ 65 milhões para concluir a reforma do estádio de Curitiba na Copa 2014. Tribunal de Contas diz que falta transparência na CAP S.A., que faz a gestão da obra

FIFA já trabalha com a possibilidade de perder uma cidade sede. Foto:Divulgação
FIFA já trabalha com a possibilidade de perder uma cidade sede. Foto:Divulgação

O Atlético-PR pode enfrentar mais problemas para concluir as obras da Arena da Baixada, um dos estádios que receberão jogos da Copa do Mundo este ano. Nesta quinta-feira, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) do Paraná recomendou que o governo estadual não libere os recursos necessários para a finalização da reforma.

O governo do Paraná requisitou empréstimo no valor de R$ 250 milhões ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Deste montante, R$ 65 milhões seriam destinados às obras da Arena da Baixada, estádio que, devido aos atrasos, está ameaçado pela Fifa de ficar fora do Mundial.

Para fundamentar sua decisão, o Tribunal de Contas se baseia na falta de transparência da CAP S.A., empresa criada para gerenciar as obras do estádio. De acordo com o ofício, a solicitação de alguns documentos relacionados à reforma foi ignorada pela empresa.

“Até a presente data, a documentação solicitada não nos foi encaminhada, o que vem a dificultar significativamente os trabalhos de fiscalização”, diz Artagão de Mattos, presidente do TCE, em ofício encaminhado ao governador Beto Richa, ao diretor-presidente da Agência de Fomento do Paraná, Juraci Barbosa Sobrinho, ao secretário de Estado de Assuntos da Copa, Mário Celso Cunha, e ao prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet.

O TCE condiciona o repasse da verba à apresentação do orçamento final, do cronograma físico-financeiro e das justificativas para as alterações na obra.

Fonte:Terra

Compartilhar:
    Publicidade