Técnica desenvolvida em Natal para diagnóstico é difundida no País

"Na medicina, o diagnóstico é a base de tudo. É o x da questão", afirma médico Roberto Levi Jales

Dr. Roberto Levi Jales é médico da Clínica Nuclear de Natal e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Foto: Heracles Dantas
Dr. Roberto Levi Jales é médico da Clínica Nuclear de Natal e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Foto: Heracles Dantas

Carolina Souza

acw.souza@gmail.com

Em algum período da vida, uma pessoa que sofre de transtornos mentais perceberá que seus pensamentos, comportamentos e reações não condizem com o considerado “normal”. Identificar exatamente em que ponto os mecanismos do cérebro estão fora do controle pode não ser uma atividade comum ou simples de ser feita. Em Natal, uma técnica que já vem sendo desenvolvida há cerca de três anos começa a tomar proporções de reconhecimento nacional, colocando a capital potiguar entre as cidades pioneiras no mundo a trabalhar os diagnósticos da saúde mental.

Com base no quadro bioquímico dos pacientes, os médicos podem optar pela melhor forma de tratamento ao paciente. As anomalias do cérebro podem ser identificadas através de tomografias, com exames que medem a quantidade de sangue circulante no cérebro – o que permite avaliar o metabolismo cerebral. Entretanto, a ferramenta inovadora que está conquistando a medicina prevê um diagnóstico mais preciso. Trata-se da cintilografia de perfusão cerebral.

O Dr. Roberto Levi Jales, médico da Clínica Nuclear de Natal e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), explicou que o procedimento foi criado por Ismael Mena, profissional da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos da América. Hoje, a técnica é desenvolvida nos EUA, Chile, Argentina e no Brasil, sendo Natal a única cidade do país a desenvolvê-la.

“Somente nós fazemos essa técnica no Brasil. As pessoas vêm de fora para serem atendidos em nossa cidade. Isso é uma satisfação muito grande como profissional e, principalmente, para o reconhecimento de nossa medicina”, conta Roberto Jales. “Fui convidado a dar uma palestra em São Paulo nesta semana, sobre essa técnica, e a USP e hospitais locais ficaram interessados em desenvolver os mesmos exames. Me comprometi em passar essa tecnologia e no próximo mês estaremos ampliando a rede de atendimento no Brasil”.

A técnica consiste na aplicação de uma substância específica no cérebro que mapeará a atividade cerebral. Jales conta que, para desenvolver a técnica, o médico Ismael Mena selecionou pacientes esquizofrênicos, bipolares, portadores de Alzheimer e de outros transtornos mentais, sintetizou uma substância específica e a injetou no cérebro dos pacientes.

“A partir dos resultados, Mena montou um padrão de imagens para cada doença, catalogando-as em um banco de dados. Hoje, a única pessoa que tem esse banco de dados no Brasil sou eu”, garante Roberto Jales. O médico explicou que esse mapeamento é importante porque cada doença apresenta um padrão de atividade única. Nesse caso, quando houver dúvidas sobre o diagnóstico real dos pacientes, o psiquiatra confronta os padrões.

Depois que o exame é feito em Natal, e confrontado com o banco de dados, é emitido o laudo do paciente. “Informamos ao paciente que o quadro dele se comportou de acordo com um determinado tipo de transtorno”, disse. “Essa exame não garantirá tratamento para cura, mas na medicina o diagnóstico é a base de tudo. É o x da questão”, afirmou.

Dependendo dos resultados dos exames, os médicos são capazes até de explicar alguns comportamentos característicos de determinadas doenças, caracterizando-as provenientes de componente familiar (genética) ou da natureza. O exame é oferecido em Natal por todos os convênios médicos e também pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“A gente sabe que as diversas especialidades médicas têm muitos exames, coisa que a psiquiatria nunca teve. Antes, a psiquiatria e psicologia tratavam e diagnosticavam os pacientes apenas através de conversas. Agora, nós passamos a ter mais técnicas e exames complementares como as outras especialidades”, destacou Roberto Jales.

Transtornos mentais

Transtornos mentais (ou doenças mentais, transtornos psiquiátricos ou psíquicos) são condições de anormalidade, sofrimento ou comprometimento de ordem psicológica, mental ou cognitiva. Em geral, um transtorno representa um significativo impacto na vida do paciente, provocando sintomas como desconforto emocional, distúrbio de conduta e enfraquecimento da memória.

Dentre os fatores causadores, a genética, a química cerebral (problemas hormonais ou uso de substâncias tóxicas que afetam o cérebro) e o estilo de vida são tidos como os principais desencadeadores dos diversos transtornos existentes. Doenças em outras partes do corpo podem afetar a mente, e inversamente, transtornos ou doenças mentais podem também desencadear outras doenças pelo corpo, produzindo sintomas somáticos.

Compartilhar:
    Publicidade