‘Temo nunca mais ouvir notícias boas de Schumi’, diz ex-médico da F-1

Depois de quase seis meses em estado vegetativo, Gary Hartstein falou sobre sua expectativa em relação a recuperação do ex-piloto

Foto: Diuvlgação
Foto: Diuvlgação

O ex-médico da Fórmula 1, Gary Hartstein, falou, em seu blog, sobre o que acha da recuperação de Michael Schumacher. A falta de informações e boletins médicos, para ele, são indícios de que, dificilmente, os fãs terão boas notícias. Outro fator que o deixa mais pessimista é em relação ao tempo de internação sem resposta de Schumacher.

“Estou bastante temeroso (e praticamente certo) de que nunca mais teremos boas notícias sobre Michael”, postou em seu blog.

 

O médico deixa claro que tudo que posta em relação ao alemão é baseado em suas suposições e nada com base em informações oficiais. Sua afirmação vem de casos em que observou de pessoas em estado vegetativo e que, essa demora, geralmente, não se reverte em uma melhora. Segundo estatísticas, quanto mais tempo o indivíduo passa no coma, mas difícil é sua recuperação. O médico ainda explicou um pouco mais sobre isso.

“A linha horizontal diz, da maneira mais eloquente e desesperadamente triste que, depois de seis meses, apenas uma minúscula fração dos pacientes PVS recuperam a consciência. Em essência, a persistência do estado vegetativo ou a morte são os resultados primários remanescentes. A taxa de mortalidade desses pacientes é de aproximadamente 25% a 30% por ano. Ninguém em PVS em um ano recupera a consciência”.

Porém, ele ainda crê que há esperanças no caso de Schumacher.

“Se Michael estiver em MCS (estado de consciência mínima), as perspectivas são um pouco melhores. Haveria, então, uma possibilidade baixa, mais real, de melhoria da qualidade de consciência ao longo dos próximos meses e anos. Dito isso, após seis meses, dolorosamente, poucos paciente voltam a falar, andar, se vestir sozinho, etc.”, finalizou.

A última nota oficial dada foi em abril, feita por sua assessora, Sabine Kehm, que informou que o alemão chegou a apresentar momentos de “consciência e despertar”.

Fonte: Lancenet

Compartilhar:
    Publicidade