“Tentam manipular bastidores políticos para isolar Robinson Faria”

José Dias ressalta que manipuladores buscam “golpe de última hora”

Além de criticar o cenário político atual, pela indefinição, José Dias também defendeu o nome de Robinson Faria, totalmente viável eleitoralmente. Foto: Divulgação
Além de criticar o cenário político atual, pela indefinição, José Dias também defendeu o nome de Robinson Faria, totalmente viável eleitoralmente. Foto: Divulgação

Ciro Marques
Repórter de Política

O ano de 2014 começou, mas pouco mudou com relação ao cenário político do ano passado. A indefinição ainda é clara e apenas Robinson Faria, do PSD, anunciou oficialmente a pré-candidatura ao Governo do Estado. O motivo disso, segundo o deputado estadual José Dias, correligionário de Robinson, é que algumas lideranças estariam tentando manipular os bastidores políticas para, quando chegar mais próximo a eleição se lançar candidato, jogando com o desconhecimento dos eleitores.

“A situação das eleições ainda é confusa. Existem atores poderosos que manipulam os bastidores. Eles não querem aparecer para que possam dar um golpe de última hora e sair candidatos, vindo com esses acordões para o povo engolir. Isso já foi feito outras vezes”, afirmou José Dias. “A prova disso é que existe uma candidatura, que é a de Robinson Faria, mas aquelas pessoas que colocam os cordõezinhos, que controlam as marionetes, tentam manipular os bastidores políticos para isolá-la”, acrescentou o pessedista.

José Dias não citou nomes na entrevista aO Jornal de Hoje. Contudo, que estaria atualmente agindo nos bastidores políticos em busca do “acordão” seria o presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves, do PMDB. O líder peemedebista tenta formar alianças para viabilizar, segundo comenta-se, o nome do empresário Fernando Bezerra ao Governo.

Contudo, há quem diga que Bezerra não passa de um pré-candidato de fachada e a intenção de Henrique é criar condições para que ele mesmo seja candidato. E o fato de não dizer, agora, que é candidato, seria uma maneira encontrada pelo presidente da Câmara Federal para evitar restrições ao nome dele.
José Dias, inclusive, é um dos que compartilha dessa ideia de que as pré-candidaturas lançadas não passam de nomes “de fachada”.

“Os balões de ensaio lançados não sobrevivem nem a Reta Tabajara.Não tem aceitação, nem na sociedade, nem dos próprios candidatos”, analisou o parlamentar, fazendo aí uma clara referência a situação de Fernando Bezerra que, mesmo tendo sido convidado oficialmente pelo PMDB para ser o candidato, não respondeu ainda, dizendo que está “avaliando o convite” – desde novembro, diga-se de passagem.

Além de criticar o cenário político atual, pela indefinição, José Dias também defendeu o nome de Robinson Faria, totalmente viável eleitoralmente, segundo ele. “Dizem que Robinson Faria não tem densidade política, mas como não tem? Essa afirmação é totalmente falsa. Nas pesquisas, se você tira os nomes de Wilma de Faria e de Garibaldi Filho (ex-governadores), Robinson está em primeiro lugar em todas”, analisou.

“O partido confia na candidatura de Robinson Faria. Não vamos deixar o povo sem opção se for feita a chapa do acórdão. O eleitor tem que ter opção”, garantiu o deputado estadual, indo de encontro ao que afirmou o próprio Robinson Faria na semana passada, de que “se ficar isolado”, poderá pensar em um “plano B” para 2014.

GOVERNO

É claro que uma entrevista com um membro do PSD, partido de oposição ao Governo do Estado, não podia ser feita sem, pelo menos, uma análise ao momento que vive a atual gestão da governadora Rosalba Ciarlini, do DEM. “O que caracteriza o atual governo é a forma arbitrária e ditatorial da gestão. Não tem dialogo interno, não tem diálogo com outros poderes, muito menos com a sociedade. É uma gestão atípica pela prepotência”, disse José Dias.

Compartilhar:
    Publicidade