“Tirado” de Copa, Serginho Chulapa detona STJD por rigor com Petros

Atacante chegou a ser suspendo por 14 meses enquanto era atleta

Serginho Chulapa recebeu gancho pesado no Brasileiro de 1977. Foto: Divulgação
Serginho Chulapa recebeu gancho pesado no Brasileiro de 1977. Foto: Divulgação

A punição de seis meses inicialmente estabelecida pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) ao volante Petros, do Corinthians, por suposta agressão ao árbitro Raphael Claus no clássico diante do Santos, há cerca de uma semana, não foi inédita no futebol brasileiro. Em 1978, Serginho Chulapa, então no São Paulo, foi banido do futebol por 14 meses – o que o fez perder a Copa do Mundo da Argentina – após supostamente ter acertado um pontapé no bandeirinha Valdevaldo Rangel durante partida diante do Botafogo-SP, em Ribeirão Preto, pela reta final do Brasileiro de 1977.

Mais de três décadas depois daquela punição que marcou a carreira do polêmico atacante, o futebol canarinho se vê, novamente, como palco de uma pesada punição a um jogador. E, em contato com a reportagem, Serginho Chulapa comentou sobre o gancho decretado pelo STJD ao volante Petros, mostrando-se contrário à pena de 180 dias e insinuando um possível “bairrismo” do tribunal, que tem sede no Rio de Janeiro.

“Foi uma atitude impensada do Petros, mas a punição foi muito rigorosa. Não foi agressão”, disse Chulapa. “O árbitro de futebol te prejudica, erra contra você, mas não pode ser xingado, não pode ser tocado. Novamente, eles (auditores do STJD) aproveitaram que era um lance de um jogador de time paulista e deram esse gancho. Tá na cara que foi isso”, acrescentou o ex-atacante.

A punição a Serginho Chulapa – conhecida como uma das mais pesadas do futebol mundial – foi decretada no início de 1978. Em 12 de fevereiro daquele ano, o jogador se revoltou com a anulação de um gol seu no último minuto do jogo entre São Paulo e Botafogo-SP e teria agredido o bandeirinha Valdevaldo Rangel. Assim que o árbitro auxiliar ergueu o seu instrumento de trabalho, alguns jogadores cercaram-no para reclamar, e Serginho foi acusado de ter lhe acertado um pontapé.

Inicialmente, o atacante foi punido por 14 meses, mas depois de recorrer, a pena caiu para 270 dias. Mesmo assim, ele, que era nome certo na convocação de Claudio Coutinho, perdeu a oportunidade de disputar a Copa do Mundo da Argentina com a Seleção Brasileira. Na ocasião, os jogadores chamados para a posição foram: Zé Sergio (São Paulo), Reinaldo (Atlético-MG), Gil (Botafogo) e Roberto Dinamite (Vasco).

“Essa punição foi muito negativa para mim. Não sei qual foi a quadrilha que me puniu… Aproveitaram que eu estava no bololô em volta do árbitro para me tirar da Copa do Mundo e a Seleção Brasileira ter um centroavante do Rio de Janeiro”, disparou Chulapa. “Na época, o São Paulo (Futebol Clube) me deu uma boa retaguarda, e eu fiquei treinando no período de suspensão. Eles foram sensacionais”, acrescentou.

Agora, Chulapa vê Petros passar por algo parecido. O volante foi banido do futebol por seis meses e, se o Corinthians não conseguir diminuir a pena no Pleno, perderá o restante do Campeonato Brasileiro e terá que manter a sua forma física somente por meio de treinos. “Eu só espero que o Petros tenha aprendido com isso, porque na nossa vida as coisas acontecem para a gente aprender”, decretou o polêmico ex-atacante, maior artilheiro da história do São Paulo.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade