Título do Real Madrid na Liga dos Campeões pode trazer investimento galático

Gastando US$ 1 bilhão em jogadores, o time espanhol conseguiu o seu 10º título da Liga dos Campeões, mas não pretende para por ai

size_590_cristiano-ronaldo

O gasto de US$ 1 bilhão do Real Madrid com os jogadores que ajudaram a ampliar um recorde ao vencerem a 10ª Liga dos Campeões de sua história, no último fim de semana, pode ser apenas o começo dos investimentos do clube de futebol.

O Real contou com os gols de Sergio Ramos, Gareth Bale, Marcelo e Cristiano Ronaldo para ganhar do Atlético de Madrid por 4-1 na final em Lisboa, dois dias atrás.

Ronaldo, contratado por 80 milhões de libras (US$ 134,7 milhões) do Manchester United em 2009, e Bale, que chegou do Tottenham no ano passado, custam mais do que todo o time do Atlético, segundo dados do transfermarkt.com, que monitora negociações de jogadores.

Perguntado se o clube mais rico do futebol em vendas reduzirá o investimento com transferências após encerrar uma espera de 12 anos pela taça europeia, o diretor do Real, Pedro López, disse que “isso não é suficiente”, antes de acrescentar: “mas o verão está apenas começando”. Os times têm até setembro para adquirir jogadores.

O presidente do Real, Florentino Pérez, disse que o título da elite europeia “elimina parte da pressão”, apesar de que os torcedores em breve estarão pedindo um 11º título.

“A Liga dos Campeões está em nosso DNA”, disse Pérez. “Finalmente conseguimos chegar a esse título, que é nossa obsessão, mas depois deste ano as pessoas vão querer outro e mais outro”.

Após se tornar presidente do Real em 2000 com a promessa de contratar Luís Figo do Barcelona, Pérez montou um time de galáticos que incluiu Zinedine Zidane e David Beckham, em parte para impulsionar as vendas.

O Real conquistou o título de 2002 na gestão de Pérez, mas levou mais de uma década para conquistar outro.

Mudanças em minutos

“Isso é futebol”, disse López, quando questionado por que demorou tantos anos. “O resultado do jogo muda em um minuto”.

O Real foi eliminado nas semifinais nas últimas três temporadas com o técnico anterior, José Mourinho.

O Atlético vencia por 1-0 com um gol de Diego Godín marcado ainda no primeiro tempo quando, aos 48 do segundo tempo, faltando dois minutos para terminar a partida, Ramos saltou e acertou uma cabeçada.

Com outra cabeçada, Bale ampliou para 2-1 após 110 minutos de jogo ao reagir antes que o goleiro do Atlético, Thibaut Courtois, a um chute de Ángel Di María.

O brasileiro Marcelo, que veio do banco, correu sem dificuldades pelo meio da defesa do Atlético para anotar mais um gol com um chute a 13,7 metros. Pouco antes do apito final, Ronaldo foi derrubado na área e converteu a cobrança de pênalti para fechar o placar em 4-1.

O Atlético de Madrid, que nunca ganhou a Liga dos Campeões, jogava sua primeira final da elite europeia em 40 anos. O resultado foi similar ao de 1974, quando o time perdeu para o Bayern Munich ao não conseguir segurar uma vantagem.

Sucesso recente

Mesmo com a derrota, os rojiblancos tiveram uma temporada bem-sucedida. Eles conquistaram seu primeiro título da Liga Espanhola em 18 anos, em 17 de maio, com um empate de 1-1 em seu último jogo, em Barcelona.

“Eu me senti ferido, mas não triste”, disse a repórteres o treinador do Atlético, Diego Simeone, após a derrota. “Estou orgulhoso da temporada extraordinária que tivemos”.

Ele disse que o time se reunirá e em breve começará a planejar a equipe para a próxima temporada.

O Atlético, que é dirigido pelo CEO Miguel Ángel Gil, filho do ex-prefeito de Marbella, tem uma folha de pagamento que representa um quarto da do Real Madrid. Em fevereiro, Gil disse que o principal goleador do time, Diego Costa, pode sair.

“Nós continuaremos competindo”, disse Simeone. “E tornando difícil a vida dos nossos adversários”.

 

Fonte: Exame

Compartilhar: