UFRN lidera novamente Índice Geral de Cursos no Norte/Nordeste

O MEC leva em conta a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação

Entre as Instituições de Ensino Superior do Brasil (IES) a UFRN figura na 48ª posição e entre as Instituições Federais de Ensino Superior do Brasil (IFES) ocupa a posição de número 16. Foto: Divulgação
Entre as Instituições de Ensino Superior do Brasil (IES) a UFRN figura na 48ª posição e entre as Instituições Federais de Ensino Superior do Brasil (IFES) ocupa a posição de número 16. Foto: Divulgação

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) continua liderando o ranking do Índice Geral de Cursos (IGC), pelo segundo ano consecutivo, tanto em relação às Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) quanto às  Instituições de Ensino Superior (IES) do Norte/Nordeste. Esse resultado foi divulgado na última sexta-feira, 6, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) – órgão vinculado ao Ministério da Educação (MEC).

O IGC é um indicador que mede a qualidade de instituições de educação superior de todo país. Para sua composição, o MEC leva em conta a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação. O resultado final está em valores contínuos (que variam entre 0 e 500) e em faixas (de 1 a 5). A UFRN alcançou 368 pontos e ficou na faixa 4.

Entre as Instituições de Ensino Superior do Brasil (IES) a UFRN figura na 48ª posição e entre as Instituições Federais de Ensino Superior do Brasil (IFES) ocupa a posição de número 16.

Para avaliar os cursos de graduação, é utilizado o Conceito Preliminar de Curso (CPC).  O CPC é uma média das notas do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE), infraestrutura da instituição e programa pedagógico. Para um curso ter CPC é necessário que ele tenha participado do ENADE com alunos ingressantes e alunos concluintes. Por isso mesmo, algumas instituições mais novas não aparecem no quadro de avaliação de anos anteriores.

Como cada área do conhecimento é avaliada de três em três anos no ENADE, o IGC leva em conta sempre um triênio. Assim, o IGC 2007 considerou os CPC’s dos cursos de graduação que fizeram o ENADE em 2007, 2006 e 2005, e assim, sucessivamente. A medida de qualidade da graduação que compõe o IGC é igual à média dos CPC’s para o triênio de interesse.

A avaliação dos programas de pós-graduação, realizada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), compreende a realização do acompanhamento anual e da avaliação trienal do desempenho de todos os programas e cursos que integram o Sistema Nacional de Pós-graduação (SNPG). Os resultados desse processo, expressos pela atribuição de uma nota na escala de 1 a 7 fundamentam a deliberação CNE/MEC sobre quais cursos obterão a renovação de reconhecimento, a vigorar no triênio subsequente. A medida de qualidade da pós-graduação que compõe o IGC é uma conversão das notas fixadas pela CAPES.

 

Fonte: UFRN

Compartilhar: