Um foco na indiscrição

Nenhum partido consegue calar seus falastrões. Há alguns com registro internacional, como é o caso de Lula da Silva, principal…

Nenhum partido consegue calar seus falastrões.
Há alguns com registro internacional, como é o caso de Lula da Silva, principal referência do PT.

>>>

O PMDB não ultrapassa as fronteiras do país, mas tem considerável destaque interno. Seu astro é Henrique Eduardo Alves (RN).

>>>

Roberto Freire (SP) representa o PPS, assim como Ronaldo Caiado (GO) é o nome do DEM; Jutahy Magalhães Júnior (BA), o do PSDB; e Chico Alencar (RJ), figurão do PSOL.

Carlos Lupi (RJ) é imbatível no PDT; Ciro Nogueira (PI), no PP; e Anthony Garotinho (RJ), no PR.

>>>

Veio do Rio Grande do Sul o ‘fala demais’ do PSB. Trata-se de Beto Albuquerque. E o PSD cultiva um potiguar sob as luzes do palco da tagarelice: Fábio Farias, imagem dessemelhante à do discreto Osmundo, seu avô paterno.

>>>

Onda para surfar

Pré-campanha no Distrito Federal.
Candidato ao segundo mandato, o governador Agnelo Queiroz (PT-DF) melhora o desempenho, conforme os índices de duas recentes pesquisas.

Uma, na segunda semana de dezembro. A outra, fechada ontem. Em ambas, Queiroz é aprovado por 31% dos cidadãos consultados.
>>>

Em outubro-novembro, apenas 17% aplaudiam o gestor petista.

>>>

Tempo do adeus

Dois ministros de bagagem pronta para a despedida.
Gleisi Hoffmann (foto) e Alexandre Padilha iniciam o ritual da desincompatibilização antecipada. Ambos são candidatos a governador sob a bandeira do PT.

A ministra da Casa Civil concorre no Paraná; o titular da Saúde, em São Paulo.

Disputam contra governantes tucanos bem avaliados: o paranaense Beto Richa e o paulista Geraldo Alckmin.

>>>

Se o embate da senadora Hoffmann é difícil, mais ainda é o do estreante Padilha.

Embora tenha Lula da Silva como patrocinador, ele está mal nas sondagens de opinião.

Ocorre que o cobiçado cabo eleitoral dele está desgastado.
Foi o ex-presidente da República quem, há um ano, levou Fernando Haddad à prefeitura da capital. A administração do ex-ministro da Educação desagrada. Recebe críticas até de petistas apaixonados.

 

– No carnaval, o tucano Pimenta da Veiga desfila como candidato a governador de Minas. A seu lado, os candidatos a vice e a senador – Dinis Pinheiro (PP) e Antonio Anastasia (PSDB).
– Transferida para 15 de julho a reunião de países do bloco Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Mantido, porém, o local: Fortaleza.
– ‘Resistente’ é o novo adjetivo usado pelo Ministério da Fazenda para qualificar a inflação brasileira. Para tentar detê-la, o Copom, na reunião de quarta-feira (15), deve elevar a Selic (taxa referencial dos juros). Prognóstico: passa de 10% para 10,25%.
– Eduardo Campos vai a Washington, próxima semana. O candidato do PSB ao Palácio do Planalto será homenageado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento.
– Mercado internacional em 2013: Ao ultrapassar os US$ 4 trilhões em importação e exportação, a China arrebata dos Estados Unidos o título de maior centro mundial de comércio.
– Depois do almoço de quinta-feira com Geraldo Alckmin, em São Paulo, Aécio Neves tira uma semana de férias políticas.
– Wilson Martins (PSB-PI) desistiu da candidatura ao Senado. Fica no governo do estado para comandar a sucessão e fortalecer o palanque piauiense do presidenciável Eduardo Campos, “correligionário e amigo”.
– Quando tiver oportunidade, leve seu filho a uma livraria. Incentive-o a frequentar esse fascinante templo do saber.
– Apesar da resistência de parte do PT ao paulista Michel Temer, o presidente de honra do PMDB continua vice na chapa de Dilma Rousseff.  Ela quer assim e Lula da Silva, também.
– Bom fim de semana, e até terça-feira. Segunda, você fica na companhia de Joaquim Pinheiro, o mais mineiro dos jornalistas potiguares.
– Para refletir: “Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens?” (Guimarães Rosa, escritor brasileiro).

Compartilhar:
    Publicidade