Um tapinha não dói – Alex Medeiros

Definitivamente, este é o país da piada pronta. Para aprovar uma lei que considera crime hediondo a exploração sexual infantil,…

Definitivamente, este é o país da piada pronta. Para aprovar uma lei que considera crime hediondo a exploração sexual infantil, a Câmara Federal transformou em símbolo a apresentadora de TV Xuxa Meneghel, a senhora de 51 anos que se eternizou menina.

Nada mais ilustrativo para a hipocrisia de um país cuja cultura de massa populariza entre as crianças o erotismo chulo dos bailes funk, sem falar nas dancinhas baianas com garrafas, do que quem fez cena de bolinação no cinema com um menino de 12 anos.

Em 1982, Xuxa chegou às telas no filme “Amor Estranho Amor”, de Walter Hugo Khouri, após conquistar fama como pantera de boate, um dançarina sensual ainda no frescor dos 20 anos e que logo atrairia o desejo de Pelé, a celebridade maior do país.

Ela contracena com o então ator mirim Marcelo Ribeiro, que na primeira cena é tentado a alisar o peito direito da lourinha. Noutra tomada, em que o pequeno personagem Hugo dorme, a garota de programa Tamara deita seu corpo nu sobre ele.

O filme, que se tornou cult muito mais pela epopeia jurídica criada por Xuxa ao longo dos anos, quando já era a insuspeita “rainha dos baixinhos” da TV Globo, está disponível para download no YouTube. Ela não cansa de tentar apagar este passado.

Há alguns anos, quando o peso da meia-idade começou a aparecer na fisionomia, Xuxa deu uma entrevista no Fantástico – na verdade uma produção teatral nos moldes da emissora – contando detalhes da sua adolescência com um ar de vítima inocente.

Revelou assédios dos amigos do seu pai, que se sentiam seduzidos por suas precoces curvas num corpo ainda na puberdade. Parte do país chorou com ela naquela inserção televisiva. E ela continuou sua via-crúcis para impedir a projeção do antigo filme.

Evidente que aquela experiência cinematográfica não fez de Xuxa uma exploradora da infância, pelo menos no aspecto da libido. Mas, há uma dose de hipocrisia em torná-la referência num momento em que é promulgada uma lei contra o abuso sexual infantil.

Mais hipócrita ainda é a totalidade das pessoas presentes à comissão parlamentar que discutiu o assunto demonizar um deputado evangélico e contemporizar com o ato dramatúrgico da jovem Xuxa, por mais que a cena pedófila não tenha sido real.

Outro fato que merece maior reflexão é o que dá nome à lei, a “palmada”. Será mesmo que um tapinha paterno num moleque indolente compromete sua formação social? O Estado tem mais autoridade sobre a criação de uma criança do que a célula mater?

O que vai acontecer é que a milenar palmadinha vai continuar existindo nas classes sociais com mais acesso cultural, mas deverá gerar nas periferias do lumpesinato, urbano e rural, uma onda alcaguete entre vizinhos, ao menor chororô de uma criança.

Voltando à Xuxa, umas ilustrações: diante de Lewis Carrol, a Inglaterra combateu o abuso infantil; na presença de Nabokov, a Rússia criminalizou a exploração de menores; sob o olhar de Michael Jackson, os EUA condenaram a pedofilia. Precisa desenhar? (AM)

Tudo igual

Às vésperas da Copa, o Ibope deu uma de mãezona. Na nova pesquisa, os três principais candidatos à Presidência da República cresceram em seus índices eleitorais. Depois do evento da FIFA, com todos oficializados em convenção, começa o jogo para valer.

PT mensaleiro

Destaque hoje na coluna Painel, da Folha. A assessoria técnica do TSE rejeitou as contas do PT na campanha eleitoral de 2008 por causa de um repasse suspeito de R$ 320 mil para a conta bancária de uma filha de Marcos Valério, o operador do mensalão.

Quadrilha

Agora é oficial. A Polícia Federal constatou um forte esquema de lavagem de dinheiro na compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, e na obra da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. Tudo sob a visão do preso Paulo Roberto Costa, o amigo de Lula.

Maconha

O senador Aécio Neves declarou que experimentou uns baseados quando era um garoto de 18 anos, e que não recomenda a ninguém fazer o mesmo. Deveria ser exemplo para políticos menores que escondem o passado e morrem de medo de falar no assunto.

Coisas do PIG

O Partido da Imprensa Governista usou o episódio da ida do jornalista Otávio Cabral para a campanha de Aécio como escapismo para o fato do novo porta-voz de Dilma ser o colega Thomas Traumann, ex-integrante da revista Veja e da Folha de S. Paulo.

Tradutor

O PMDB e o PDT locais precisam encontrar um profissional que domine os dois distintos idiomas eleitorais. O entendimento está ficando cada vez mais difícil quando o assunto é a campanha de outubro, principalmente quando se fala da chapa proporcional.

Candidata

Atenta às duas compreensões jurídicas sobre sua situação político-eleitoral, onde uma diz que está apta a ser candidata e outra garante que caiu na lei da ficha limpa, a governadora Rosalba Ciarlini não tem outra opção a não ser confirmar a candidatura.

Violência

Já são 25% os cancelamentos de reservas de hotéis e de viagens aéreas por turistas estrangeiros que viriam ao Brasil em junho. O motivo é o medo da insegurança nas ruas, do caos nos estádios e aeroportos, dos protestos que repercutem por toda a Europa.

Protestos

Na edição de hoje, o diário de Madrid, El País, voltou a destacar problemas no Brasil às vésperas da Copa. Mostrou os recentes protestos e greves, colocando como alvo das manifestações os gastos na Copa e as trapalhadas e deslizes do governo Dilma.

Mais um

O melhor jogador do campeonato inglês na atual temporada, o uruguaio Luis Saurez, é mais um craque ameaçado de não vir à Copa por contusão. Ele encarou hoje uma cirurgia no joelho que requer um mínimo de 15 ou 20 dias de recuperação.

Compartilhar: