UPA Esperança inicia suas atividades em emergência odontológica e clínica médica

A UPA Esperança contará em breve com 180 profissionais, entre médicos, clínicos gerais e pediatras, enfermeiros, assistente social, farmacêutico, bioquímico e nutricionistas; técnicos de enfermagem, de laboratório, administrativo, além de pessoal de apoio

UPA Esperança começou a funcionar no dia 06 de janeiro. Foto:Divulgação
UPA Esperança começou a funcionar no dia 06 de janeiro. Foto:Divulgação

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Esperança inicia nessa segunda-feira 6, a partir das 7h, suas atividades com serviços de urgências em clínica médica e odontológica, em regime de 24h.

Com investimento na ordem de 4 milhões, obtidos por meio, de recursos dos governos federal e do municipal, parte integrante da Rede Municipal de Urgência e Emergência, categorizada como porte III, a UPA Cidade Esperança poderá realizar até 13.500 procedimentos médicos mensais.

A UPA Esperança contará em breve com 180 profissionais, entre médicos, clínicos gerais e pediatras, enfermeiros, assistente social, farmacêutico, bioquímico e nutricionistas; técnicos de enfermagem, de laboratório, administrativo, além de pessoal de apoio.

A UPA Esperança fica localizada na Rua Paraíba, sn, Cidade da Esperança (ao lado do Oitavo Distrito Policial)

Serviço

O projeto UPA 24h é uma iniciativa do Ministério da Saúde (MS) para reorganizar o fluxo do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS). As unidades oferecem assistência de emergência 24h por dia, todos os dias da semana, e ajudam na estruturação da rede de atendimento integrada, reduzindo inclusive o tempo de espera da população por atendimento.

As UPAs 24h estão inseridas na rede Saúde Toda Hora, que reorganiza a atenção às urgências e emergências no Sistema Único de Saúde (SUS).

A estratégia de atendimento está diretamente relacionada ao trabalho do Serviço Móvel de Urgência (SAMU) que organiza o fluxo de atendimento e encaminha o paciente ao serviço de saúde adequado a cada situação. Nas unidades, os pacientes são avaliados de acordo com uma classificação de risco, podendo ser liberados ou permanecer em observação por até 24 horas ou, se necessário, serão removidos para um hospital de referência.

Fonte:Assessoria

Compartilhar:
    Publicidade