Vasco oferece ajuda a ‘brigões’ e indica advogados para organizada

Detidos no Presídio Regional de Joinville, os três vascaínos participantes na briga generalizada com a torcida do Atlético-PR, no último…

Mirando uma virada de mesa, o Vasco se propõe a ajudar os torcedores brigões. Foto:Divulgação
Mirando uma virada de mesa, o Vasco se propõe a ajudar os torcedores brigões. Foto:Divulgação

Detidos no Presídio Regional de Joinville, os três vascaínos participantes na briga generalizada com a torcida do Atlético-PR, no último domingo, aguardam a orientação dos advogados sobre as acusações envolvendo tentativa de homicídio, crime contra o patrimônio público e agressão ao artigo 41B do Estatuto do Torcedor (incitar violência no estádio). O clube de São Januário ofereceu ajuda e indicou profissionais capacitados caso seja escolha da organizada.

Os primeiros pedidos de ajuda surgiram no próprio domingo. Familiares de Leone Mendes da Silva, de 23 anos, Jonathan Santos, 29 anos, e Arthur Barcelos de Lima Ferreira, 26, entraram em contato com dirigentes do Cruzmaltino solicitando apoio para custear a defesa dos torcedores e empréstimos para uma viagem até Joinville.

Inicialmente, o Vasco negou qualquer quantia. Porém, o clube disponibilizou advogados indicados pelo departamento jurídico para fazer a defesa dos detidos na cidade catarinense. A administração Roberto Dinamite ainda não recebeu uma resposta dos familiares e da diretoria da organizada.

“Fui ao local no qual os torcedores estavam presos no final da noite de domingo. O delegado me disse que os vascaínos prestavam depoimento e o processo seria demorado. Também fui ao hospital visitar os feridos. Isso [indicação de advogados] é uma situação tratada pelo departamento jurídico e devemos ter uma definição nos próximos dias”, afirmou o vice-presidente geral cruzmaltino, Antônio Peralta.

“Os familiares estavam com dificuldades de visitar os torcedores. O Vasco analisa o caso, mas tenta ajudá-los sem envolver pagamentos de honorários e qualquer dinheiro do clube. O nosso departamento jurídico indicou advogados e cabe aos torcedores tomar uma decisão”, completou o vice de patrimônio, Manuel Barbosa.

A agremiação carioca ainda não definiu sobre o corte radical na ajuda de custo aos torcedores organizados e descontos nos ingressos. Com o momento político delicado e forte pressão em torno da administração, o presidente Dinamite admitiu aos aliados que analisa as questões antes de anunciar qualquer decisão.

Atualmente, o clube costuma dar descontos de 50% no valor dos bilhetes e por vezes ajudar em caravanas para outros estados. A questão causa uma divisão na diretoria, mas os recentes episódios violentos pesam contra as organizadas.

Fonte:Uol

Compartilhar: