Vendas de hortaliças devem triplicar com certificação de produtores

Dezenove agricultores do projeto Amigo Verde Gramorezinho receberam certificado de produtos orgânicos do Ministério da Agricultura

Gramorezinho.Agência_Sebrae

A primeira etapa para consolidar um campo de produção de gêneros orgânicos na região metropolitana de Natal foi cumprida nesta segunda-feira (2). Dentro das comemorações da Semana Nacional do Alimento Orgânico no Rio Grande do Norte, um grupo de 19 produtores do projeto Amigo Verde Gramorezinho recebeu o certificado do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Na prática, o documento permitirá que um quarto das 120 famílias inseridas no projeto, que conta com o apoio técnico do Sebrae no Rio Grande do Norte, possa comercializar os alimentos cultivados diretamente para o consumidor final, eliminando os atravessadores.

A comunidade de Gramorezinho corresponde a uma faixa de aproximadamente 20 hectares, localizada na zona Norte de Natal, já na divisa com o município de Extremoz. No local, há centenas de famílias que, há pelo menos cinco décadas, dedicam-se às atividades da agricultura familiar convencional. Com o projeto, os agricultores foram estimulados a se adequar ao cultivo orgânico e atualmente 120 delas já utilizam as técnicas. Em dezembro do ano passado, onze produtores da região haviam sido certificados e agora outros 19 também foram habilitados, totalizando 30 produtores com o selo de orgânico em dois anos de projeto.

O documento deu um novo ânimo para agricultora Ana Maria Nascimento Câmara, que está no projeto desde os primórdios da iniciativa, e acredita que a certificação de orgânico vai impulsionar as vendas do que é produzido pela família. “Conseguimos obter com a venda de couve, hortelã e salsa em torno de um salário mínimo por mês, o que já muito bom. Mas esse selo poderá ajudar a aumentar esse faturamento”, diz.

De acordo co m informações da Associação dos Amigos e Produtores de Hortaliças de Gramorezinho e Adjacências (Amigs), com a certificação, as vendas dos gêneros devem triplicar. De tudo que é produzido, 82% visa o consumidor final e restante fica para consumo próprio.  Apesar de a produção ser bem variada, atualmente, o grupo consegue comercializar por semana 1,5 mil pés de coentro, 500 molhos de alface e mais de 600 molhos de rúcula, entre outros. Com a implantação de feiras agroecológicas em pontos estratégicos da capital, os agricultores também passaram a comercializar mamão, macaxeira, inhame e batata doce.

Feiras agroecológicas

Já são quatro feiras bem definidas ao longo da semana somente na capital potiguar: na sede do Ministério Público da rua Jaguarari (às quartas-feiras), na Semurb de Mirassol (às quinta-feiras), na Petrobras (às sextas-feiras) e no Bosque das Mangueiras (aos sábados). “Esse selo agrega valor à nossa produção. Com este certificado, vamos ampliar poder ampliar a venda direta ao consumidor e assim aumentar o faturamento de quem está no projeto”, estima o presidente da Amigs, Jarian Gomes.

O Sebrae participa do Amigo Verde Gramorezinho fornecendo consultorias e apoio técnicos às propriedades na área de gestão, noção de associativismo e também no repasse de técnicas de agroecologia e adequação ao sistema orgânico de produção. “Enquanto Sebrae, ficamos muito orgulhosos com a entrega desses certificados, pois hoje os consumidores estão mais conscientes e informados. Não basta apenas afirmar que um produto é orgânico, é preciso atestar. E isso que esse selo faz”, ressaltou o diretor técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti, durante a entrega dos certificados.

A solenidade ocorreu na sede das promotorias do meio ambiente do Ministério Público do estado na tarde desta segunda-feira e contou com a participação representantes das instituições apoiadoras e patrocinadoras do projeto, Sebrae, Emater, Semurb, UFRN, Petrobras e Ministério Público, além dos produtores e representantes do Ministério da Agricultura.

 

Fonte: Sebrae

Compartilhar: