Vereador Adão Eridan afirma que Câmara pode virar “Casa de Mãe Joana”

Vereador Bertone Marinho afirma que plenário é soberano e anuncia que pretende renunciar ao cargo de presidente da Comissão de Ética da Casa Legislativa Municipal porque, segundo ele, “é difícil julgar colegas”

67IU67I67I56I6I6I

Joaquim Pinheiro

Repórter de Política

O vereador Adão Eridan, do PR, disse ter ficado decepcionado com a decisão do plenário em absolver o vereador Sandro Pimentel, do Psol, das acusações de quebra de decoro parlamentar em votação que durou toda a tarde da última quarta-feira no plenário da Câmara Municipal de Natal. Para ele, a absolvição de Sandro Pimentel, do Psol, abre um precedente perigoso para que fatos de agressões pessoas continuem acontecendo nas discussões no plenário da Câmara Municipal de Natal. “Se continuar desse jeito a Câmara vai virar casa de Mãe Joana”, disse o vereador, usando uma frase popular que quer dizer casa sem ordem e sem comando e sem respeito. Adão Eridan, questiona também, a existência da Comissão de Ética, encaminhando processos para votação e vereadores votando contra. “Continuando assim, é melhor joga a comissão na lata do lixo”, disse ele.

Mesmo assim, o vereador Adão Eridan diz ser necessário dar um crédito de confiança para a Comissão de Ética continue seu trabalho e cumpra sua missão com responsabilidade, já que segundo ele, existem outros processos contra os vereadores, Sandro Pimentel e Marcos Antonio, do Psol, e Amanda Gurgel, do PSTU sendo examinados. “Caso a Comissão de Ética passe 6 meses examinando os processos, ouvindo as testemunhas, colhendo documentos e não aconteça nada, é melhor desistir dessa comissão e fehar as suas portas”, sugere o vereador do PR, perguntando em seguida: “para é que serve essa Comissão de Ética?

RENÚNCIA AO CARGO

O presidente da Comissão de Ética, vereador Bertone Marinho, do PMDB, anunciou na manhã de hoje que renunciará do cargo nos próximos dias por considerar uma missão difícil julgar colegas vereadores com quem convive no dia a dia. Questionado sobre uma possível extinção da Comissão de Ética como admite o vereador Adão Eridan, Bertone Marinho diz não concordar. “A comissão é necessária. O que não pode haver são agressões pessoais”, disse o peemedebista, acrescentando que a decisão do plenário em absolver o vereador Sandro Pimentel foi soberana e tem que ser respeitada. “O vereador pode emitir sua opinião sem agredir ou ferir a honra dos outros”, ressalta Bertone Marinho, confirmando que existem outros processos contra os vereadores Amanda Gurgel, Marcos Antonio e Sandro Pimentel em poder do relator, vereador Chagas Catarino que deverão ser examinados, preparado relatório e encaminhado a plenário para votação. Entre as denúncias estão acusações de vereadores pertencerem á bancada do Seturn e de ter aumentado seus próprios salários. Sandro Pimentel agradeceu aos colegas sua absolvição: “Os vereadores escreveram uma página de justiça nesta sessão”.

Compartilhar:
    Publicidade