Vereador denuncia “trem da alegria” ilegal com 800 cargos de Carlos Eduardo

Convocação extraordinária da Câmara Municipal será aberta hoje com muita polêmica, principalmente sobre o projeto que cria 800 novos cargos comissionados

“Estão querendo aprovar o trem da alegria de Carlos Eduardo. Não vamos permitir este absurdo”. Vereador do PT Fernando Lucena. Fonte:Divulgação
“Estão querendo aprovar o trem da alegria de Carlos Eduardo. Não vamos permitir este absurdo”. Vereador do PT Fernando Lucena. Fonte:Divulgação

A Câmara Municipal de Natal inicia hoje os trabalhos da convocação extraordinária com uma pauta que deve gerar muita polêmica: A aprovação da contratação, sem concurso público, de quase 800 cargos novos na SEMTAS, além de um empréstimo de 45 milhões de reais para construção da sede do Poder Legislativo e Centro Administrativo. O vereador natalense Fernando Lucena (PT), em entrevista a O Jornal de Hoje, fez duras críticas à tentativa de criação de novos cargos: “Estão querendo aprovar o trem da alegria de Carlos Eduardo. Não vamos permitir este absurdo”.

Fernando Lucena utiliza a expressão “trem da alegria” para classificar a “nomeação”, sem concurso público, de 800 pessoas indicadas politicamente para trabalharem pelo Governo municipal. Na opinião dele, a Câmara Municipal, os vereadores, o Ministério Público, não podem ser “coniventes com este absurdo”. Lucena defende que seja realizado concurso público para a contratação efetiva destes profissionais oferecendo a oportunidade a todos e inclusive aos mais preparados para a função e não apenas para aqueles “apadrinhados” ou “indicados” por interesses políticos.

O vereador Sandro Pimentel, do Psol, também já havia se manifestado a respeito, mostrando-se contrário ao projeto da forma como está. Sandro reforça o desejo de Lucena e informa que serão apresentadas várias emendas, inclusive uma que determina obrigatoriedade de concurso público, antes da contratação. Mesmo assim, com maioria na Câmara Municipal, a Prefeitura acredita que aprovará, sem maiores sobressaltos, os projetos de seu interesse. É o que revelou um integrante da base de apoio a este jornal. Ele, que não quis se identificar, assegurou: “Passa fácil. Tudo passa fácil”.

Compartilhar:
    Publicidade